Posto de abastecimento de veículos é construído em área do Centro de Orientação Vocacional São João Calábria; Degradação ambiental avança em Feira de Santana

Posto de abastecimento de veículos é construído no terreno do Centro de Orientação Vocacional São João Calábria. Quando em funcionamento, o empreendimento vai apresentar risco à integridade física dos frequentadores do seminário teológico, diz fonte.
Posto de abastecimento de veículos é construído no terreno do Centro de Orientação Vocacional São João Calábria. Quando em funcionamento, o empreendimento vai apresentar risco à integridade física dos frequentadores do seminário teológico, diz fonte.

Qualificado como atividade poluidora que produz significativo risco ambiental, a construção e operação de postos de abastecimento de veículos têm ocorrido, em Feira de Santana, em dissonância com as normas da resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) 273/2000, desta forma, empreendimentos são edificados próximos à imóveis residenciais e comerciais destinados ao atendimento de significativo público, fato que coloca em risco a vida das pessoas que habitam e frequentam esses ambientes.

Neste contexto, fonte do Jornal Grande Bahia (JGB) denuncia a construção de posto de abastecimento de veículos no terreno do Centro de Orientação Vocacional São João Calábria, complexo educacional que objetiva formação teológica.

O Centro de Orientação Vocacional São João Calábria é conhecido, também, como Centro de Orientação Vocacional Pobres Servos da Divina Providência. Ele está situado na Rua Casemiro de Abreu, nº 400 e se estende até a Avenida Francisco Fraga Maia, no Bairro Cidade Nova, em Feira de Santana.

O posto de abastecimento de veículos, em fase de construção no terreno do Centro de Orientação Vocacional, está situado na esquina da Rua Casemiro de Abreu com a Avenida Francisco Fraga Maia. A proximidade do empreendimento com o complexo educacional gera desconforto e traz perigo, alerta fonte do JGB.

Silente

O conjunto de reportagens publicadas ao longo de 13 anos pelo Jornal Grande Bahia evidenciou que o Ministério Público da Bahia (MPBA) e o Ministério Público Federal (MPF) atuam de forma silente e ineficiente na preservação ambiental de Feira de Santana. Pode-se inferir, também, que o caso da implantação de postos de combustíveis no município representa uma evidência concreta sobre o enunciado.

Diferente destes órgãos, o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRGN) publicou densa obra com título ‘Adequação Ambiental dos postos de combustíveis de Natal e recuperação da área degradada’. Contendo 169 páginas, a publicação traz alertas sobre o potencial poluidor da atividade, risco a integridade da vida humana e comentários a legislação.

Talvez a publicação sirva de inspiração para que os órgãos de controle do Estado saiam da inercia e inépcia e passem a atuar na defesa dos interesses da comunidade.

Baixe

Adequação Ambiental dos postos de combustíveis de Natal e recuperação da área degradada

Sobre Carlos Augusto 9515 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).