Parada do Orgulho LGBTQIA+ na Bahia chega à XIX edição

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Cena da edição 2019 da Parada do Orgulho LGBTQIA+ da Bahia.
Cena da edição 2019 da Parada do Orgulho LGBTQIA+ da Bahia.

“Racismo na comunidade LGBTQIA+”, esse é o tema da 19ª Parada do Orgulho LGBTQIA+ da Bahia, que acontece virtualmente no próximo dia 5 de dezembro (sábado), ao vivo nos canais “Me Salte” e Jornal CORREIO* (Instagram, Facebook e Youtube), a partir das 18 horas. O evento é uma realização do Grupo Gay da Bahia (GGB), conta com a produção da Maré Produções Culturais, patrocínio do Grupo Big, Goethe Institut Salvador e Criação de Conteúdo do Jornal CORREIO*/Me Salte e Movida Conteúdo.

Especialmente este ano, a Parada LGBTQIA+ foi adiada para dezembro, em virtude da pandemia do coronavírus (COVID-19). Para a 19ª Parada, o GGB confirmou a edição 100% online, inédita em 18 anos do evento político e social na região, que teve início ainda em 2002. A grade de programação contará com mesas de debate, espaço para militância e apresentações artísticas, em um programa online das 18 até 20 horas.

“As paradas são espaços importantes de múltiplas vozes. Através das plataformas digitais, pretendemos dar visibilidade a diferentes sujeitos da luta LGBTQIA+, constituindo um espaço de escuta de suas questões. Com o tema ‘racismo na comunidade LGBTQIA+’, serão 02h horas de programação nas redes com bate-papos e performances”, afirma Marcelo Cerqueira, presidente do GGB.

A expectativa é unir a comunidade para além das ruas, ocupando os debates, discussões e a programação do meio virtual. Relembrando a “Parada LGBTQIA+ de 2019”, que aconteceu nas imediações do “Dique do Tororó” — reunindo aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Responsável pela produção do evento, a produtora cultural diretora da Maré Produções, Fernanda Bezerra, comemora a primeira edição virtual da Parada, em 19 anos de história. “Devido a pandemia da COVID 19 e a impossibilidade de ocuparmos as ruas, como aconteceu no último ano, a Parada do Orgulho LGBTQIA+ da Bahia, uma das mais antigas do Brasil, pela primeira vez em 19 anos ocupará o espaço virtual. O mais importante é não deixarmos de realizar o projeto, para que, em 2021, ele chegue com mais força na sua celebração de vinte anos”, elucida.

Segundo o Diretor Executivo do Goethe Institut Salvador (BA), Sr. Manfred Stoffl, o patrocínio do instituto visa fortalecer a sociedade civil como um todo. “Grupos LGBTQIA+ são uma parte importante de uma sociedade civil democrática e crítica; por isso, o Goethe Institut gostaria de ser cada vez mais um espaço para gays, lésbicas, bissexuais, transsexuais e todos os demais grupos marginalizados que precisam de um lugar seguro”, relata Stoffl em nota oficial.

Em 2020 a Parada do Orgulho LGBTQIA+ da Bahia conta a curadoria do jornalista Jorge Gauthier, roteiro e produção de conteúdo de Jorge Gauthier e Dayse Porto; patrocínio do Grupo Big e Goethe Institut, Criação de Conteúdo do Jornal CORREIO*/Me Salte e Movida Conteúdo; e produção da Maré Produções.

Racismo na comunidade lgbtqia+

Tema da 19ª Parada da Bahia, o “racismo na comunidade LGBTQIA+” tem origem investigativa no Relatório 2019 do Grupo Gay da Bahia, intitulado “Mortes Violentas de LGBT+ no Brasil”. O estudo do GGB evidencia que os homicídios contra pessoas LGBTQIA+ pardos e pretos dominam 37,08% dos casos, enquanto a categoria “branca” detém 36,78%.

O relatório ainda mostra que os casos de violência cresceram exponencialmente entre 2010 a 2019, resultando em uma média gradativa de 250 mortes todos os anos. Em 2017, o número de óbitos entre a comunidade LGBT cresceu quase o dobro — 445 casos. A Bahia (BA) segue como o 2º estado que mais mata LGBT’s no Brasil.

Considerada um dos levantes sociais mais importantes na luta à favor dos direitos da comunidade LGBTQIA+ na Bahia, a “Parada LGBTQIA+”, que reúne milhares de vozes todos os anos para o fim da #LGBTQIA+fobia desde 2002 — à época com 15 mil participantes, sensibiliza a população para um evento virtual e informativo, mas sem deixar de lado a “fechação”, segundo o autor do “Me Salte” — primeiro canal LGBTQIA+ do jornal CORREIO* e curador da Parada LGBTQIA+ 2020, Jorge Gauthier.

“É a ‘Parada LGBTQIA+ da Bahia’, então a gente vai trazer para esse programa ao vivo a energia da ‘Parada’, só que com muito mais reflexão, informação, respeito e obviamente, fechação. O objetivo principal é chamar as pessoas para refletirem. Quando falamos as questões sobre ‘LGBTQIA+fobia’, normalmente não associamos o olhar racial intrínseco a ela. Os LGBTQIA+ negros e negras, estão extremamente mais vulneráveis, todos os dias, do que as pessoas que não são negras. A ‘Parada LGBTQIA+ desse ano é um grito por respeito a diversidade que existe tanto dentro como fora da comunidade”, conclui Gauthier.

Parada do Orgulho LGBTQIA+ da Bahia

Ocupando tradicionalmente o Campo Grande, Av. Sete de Setembro, Mercês, Piedade, São Pedro e a Praça Castro Alves, a primeira “Parada Gay da Bahia” foi realizada no ano de 2002, com cerca de 15 mil participantes. Embora as comemorações do “Dia do Orgulho Gay” — 28 de junho, tenham sido iniciadas em 1981 pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), com direito a Mareata Gay e passeatas entre a década de 80 a 90, o megaevento só veio se realizar após a virada do século, ainda tímido. Após reunir 15 mil pessoas na 1º Parada, o número cresceu exponencialmente, reunindo já mais de 200 mil participantes em seu 5º ano de atividades. Agora, a “Parada do Orgulho LGBTQIA+ da Bahia” caminha para seu 19ª ano de atividades.

Grupo Gay da Bahia

O Grupo Gay da Bahia (GGB) é a mais antiga associação de defesa dos direitos humanos dos homossexuais no Brasil. Fundado em 1980, registrou-se como sociedade civil sem fins lucrativos em 1983, sendo declarado de utilidade pública municipal em 1987. É membro da ILGA, LLEGO, e da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Travestis (ABGLT). Em 1988, o Grupo foi nomeado membro da Comissão Nacional de Aids do Ministério da Saúde do Brasil e desde 1995 faz parte do comitê da Comissão Internacional de Direitos Humanos de Gays e Lésbicas (IGLHRC). Ocupa desde 1995 a Secretaria de Direitos Humanos da ABGLT, e desde 1998 a Secretaria de Saúde da mesma.

Goethe-Institut Salvador-Bahia

O Goethe-Institut é o instituto cultural da República Federal da Alemanha. Divulgando uma imagem abrangente da Alemanha, é promovido a aprendizagem da língua alemã e realização de colaborações internacionais na área da cultura. Salvador é uma das 13 filiais existentes na América do Sul, das quais cinco ficam no Brasil, incluindo o Instituto Regional em São Paulo. Ao todo, o Goethe-Institut dispõe de uma rede de 159 unidades em 98 países em todos os continentes. Além disso, colabora com associações culturais, bibliotecas e centros de ensino de línguas estrangeiras. Desde a sua fundação em 1962, o Goethe-Institut Salvador-Bahia aposta em cooperações estreitas com seus numerosos parceiros públicos e privados, brasileiros e internacionais. Após mais de 50 anos de atividades contínuas na cidade, iniciou também, em 2016, o Programa de Residência Artística Vila Sul.

Agenda

O que: 19ª Parada do Orgulho LGBTQIA+ da Bahia

Quando: 5 de dezembro, das 18 até 20 horas

Onde: ao vivo nos canais “Me Salte” e Jornal CORREIO* (Instagram, Facebook e Youtube);

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113540 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]