Extremista Jair Bolsonaro diz que governo não terá como socorrer os necessitados se ‘fechar tudo de novo’

Deputado Márcio Marinho (Republicanos) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Conservadores e reacionários se unem ao desgoverno da extrema-direita.
Deputado Márcio Marinho (Republicanos) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Conservadores e reacionários se unem ao desgoverno da extrema-direita.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (04/12/2020), em Salvador, que se a economia for fechada de novo por causa da covid-19, o governo não terá mais como socorrer os necessitados porque ultrapassou a capacidade de se endividar.

“Os números de agora há pouco é de que o Brasil está voltando à normalidade, mas não podemos fechar de novo tudo”, afirmou na 113ª e 114ª Assembleia Geral Ordinária da Convenção Estadual das Assembleias de Deus na Bahia (Ceadeb).

Bolsonaro disse que o “fique em casa” só não foi mais danoso porque a administração federal tomou medidas. Ele citou o auxílio emergencial para 38 milhões de trabalhadores que viviam na informalidade, o socorro às pequenas e médias empresas e a ajuda aos governos dos Estados. Bolsonaro disse que, assim, foi evitado o “caos social”.

Eleições

O presidente reafirmou que não confia no sistema eleitoral eletrônico e que lutará para que em 2022 “o voto de cada brasileiro sufragado nas urnas seja contado para aquele candidato em que realmente ele depositou seu voto”.

“Alguns acreditavam que a gente seria alijado do governo no primeiro ano. Não aconteceu. Apostaram no segundo ano; estamos chegando ao final”, declarou. Ele demonstrou estar emocionado ao lembrar do atentado à faca do qual foi vítima durante a campanha presidencial.

*Com informações do Broadcast do Estadão.

Sobre Carlos Augusto 9514 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).