Eleições 2020: Zé Neto apresentou receita de R$ 2,472 milhões na prestação de contas da campanha para prefeito de Feira de Santana, enquanto Colbert Martins Filho conseguiu arrecadar R$ 724 mil

José Cerqueira Neto (Zé Neto, PT) obteve R$ 2.472.980,89 em receitas para a campanha eleitoral de 2020 para prefeito de Feira de Santana, enquanto Colbert Martins Filho (MDB) conseguiu arrecadar R$ 724 mil.
José Cerqueira Neto (Zé Neto, PT) obteve R$ 2.472.980,89 em receitas para a campanha eleitoral de 2020 para prefeito de Feira de Santana, enquanto Colbert Martins Filho (MDB) conseguiu arrecadar R$ 724 mil.

O Jornal Grande Bahia (JGB) analisou nesta quarta-feira (02/12/2020) os dados das prestações de contas das campanhas dos dois candidatos à prefeito que participaram do segundo turno das eleições 2020 em Feira de Santana.

Derrotado no pleito, o deputado federal José Cerqueira Neto (Zé Neto, PT) obteve R$ 2.472.980,89. O valor arrecadado pelo petista representa a maior receita financeira do processo eleitoral e um recorde no histórico de campanhas majoritárias ocorridas em Feira de Santana.

Vencedor do pleito, o prefeito Colbert Martins Filho (MDB) obteve uma arrecadação bem mais modesta, com R$ 724.701,50 em receitas.

Receitas e despesas do candidato Zé Neto

Conforme declaração apresentada à Justiça Eleitoral por Zé Neto, a campanha foi praticamente financiada pelo Partido dos Trabalhadores (PT), com aporte de 84,84% do total da receita. O valor correspondente ao porcentual é oriundo da executiva estadual do partido, com aporte de recurso financeiro da ordem de R$ 1.294.973,75 (52,36%), enquanto a executiva nacional destinou R$ 803.257,14 (32,48%).

O próprio candidato à prefeito investiu R$ 65 mil na campanha e recebeu outros R$ 200 mil do empresário Lutz Viana Rodrigues Junior, presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados do Leite do Estado da Bahia (SIDLEITE).

O partido do empresário Roque Santos, PP, candidato à vice-prefeito, doou R$ 40 mil para a campanha majoritária.

A campanha de Zé Neto apresentou despesas de R$ 1.543.527,54 e terá que devolver R$ 929.453,35 dos recursos não utilizados na campanha, conforme prevê Lei Eleitoral.

Receitas e despesas do candidato Colbert Martins

Tendo assumido o mandato de prefeito de Feira de Santana com a renúncia de José Ronaldo (DEM) em abril de 2018, Colbert Martins Filho (MDB) conquistou pela primeira vez, através do sufrágio, o mandato de prefeito.

Na prestação de contas à Justiça Eleitoral foi demonstrado que a campanha foi financiada, praticamente, pelo partido do candidato à vice-prefeito Fernando de Fabinho (DEM), com R$ 530 mil (73,13%) de aporte financeiro para as receitas. Em segundo lugar aparece o MDB, destinando R$ 150 mil (20,70%).

Três doadores pessoa física são destaques: Wilson Ferreira Falcão, CPF 193.092.875-00, valor R$ 15 mil (2,070%); Denilton Pereira de Brito, CPF 280.751.025-68, R$ 9 mil (1,242%); e Carlos Alberto Moura Pinho, CPF 034.411.135-00, R$ 9 mil (0,8279%).

A campanha de Colbert Filho apresentou despesas de R$ R$ 177.160,00 e terá que devolver R$ 547.541,50 dos recursos não utilizados na campanha, conforme prevê Lei Eleitoral.

*É possível que receitas e despesas do segundo turno das Eleições 2020 em Feira de Santana ainda possam ser lançadas pelas campanhas dos candidatos à prefeito e, com isso, o valor a ser restituído seja reduzido ou eliminado.

Síntese da prestação de contas da campanha eleitoral de 2020 de José Cerqueira Neto (Zé Neto, PT) para prefeito de Feira de Santana.
Síntese da prestação de contas da campanha eleitoral de 2020 de José Cerqueira Neto (Zé Neto, PT) para prefeito de Feira de Santana.
Síntese da prestação de contas da campanha eleitoral de 2020 de Colbert Martins Filho (MDB) para prefeito de Feira de Santana.
Síntese da prestação de contas da campanha eleitoral de 2020 de Colbert Martins Filho (MDB) para prefeito de Feira de Santana.
Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9615 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).