Eleições 2020: Partido dos Trabalhadores denuncia crimes eleitores em Feira de Santana e Vitória da Conquista

Crime eleitoral é denunciado.
Crime eleitoral é denunciado.

O Partido dos Trabalhadores (PT) da Bahia ingressou nesta segunda-feira (23/11/2020) com uma ação no Ministério Público Eleitoral (MPE) para tentar coibir a prática de crimes eleitorais como boca de urna, abuso do poder político e econômico e captação ilícita de sufrágio no segundo turno das eleições em Vitória da Conquista e Feira de Santana. O partido disputa o comando da Prefeitura nestas cidades com os candidatos Zé Raimundo e Zé Neto, respectivamente.

Em Vitória da Conquista, áudios e outros documentos anexos à denúncia revelam que o coordenador de Serviços Auxiliares da Prefeitura, vinculado à Secretaria Municipal de Administração, articulou uma estratégia eleitoral para o segundo turno. Em um bairro da cidade onde o candidato à reeleição teve poucos votos, ele orientou funcionários da Prefeitura a visitarem os moradores com o objetivo de alterar o resultado eleitoral. Cerca de seis mil imóveis deste bairro foram regularizados pela Prefeitura, o que poderia ser utilizado como argumento para converter os votos em benefício do atual prefeito.

Já em Feira De Santana, o PT alega que teria havido distribuição irrestrita de 52 mil cestas básicas às vésperas da eleição sob a justificativa da suspensão das aulas. No entanto, o calendário letivo foi suspenso em 18 de março de 2020 e a distribuição da cesta só começou a ocorrer em 22 de setembro de 2020.

Além de solicitar a abertura de Procedimento Preparatório Eleitoral ao Ministério Público, o PT pede ainda que a Polícia Federal seja acionada para investigar eventuais irregularidades cometidas no primeiro turno e impedir que elas voltem a ser praticadas no segundo turno.

“Nossa expectativa é a de que os fatos trazidos sejam investigados e que as instituições consigam garantir a lisura do pleito” disse Luís Vinícius Aragão, advogado do PT Bahia.

Para Éden Valadares, presidente do PT Bahia, a atuação firme do Ministério Público é fundamental para garantir que as eleições sejam disputadas em condições de igualdade, impedindo o uso ilegal da máquina pública em benefício dos candidatos que buscam a reeleição.

“Os casos relatados são gravíssimos. Há uma tentativa de subverter a vontade popular que é por mudança nas duas cidades cidades, vontade essa que se confirmou no primeiro turno e nas pesquisas de opinião divulgadas. Queremos eleições livres e limpas”, argumenta.

*Com informações do site Salvador Notícia.

Sobre Carlos Augusto 9506 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).