Bahia se firma como principal reduto de rejeição ao bolsonarismo no país, revela reportagem da Revista Veja

Prefeito ACM Neto (DEM-BA) e o presidente Jair Bolsonaro protagonizam união pelo retrocesso do Brasil. Salvador é a capital que mais rejeita o governo do extremista Jair Bolsonaro, com 62% de reprovação.
Prefeito ACM Neto (DEM-BA) e o presidente Jair Bolsonaro protagonizam união pelo retrocesso do Brasil. Salvador é a capital que mais rejeita o governo do extremista Jair Bolsonaro, com 62% de reprovação.

Reportagem da Revista Veja Online desta terça-feira (09/11/2020), revela que as melhoras nos índices de aprovação que o presidente Jair Bolsonaro colheu desde que o governo federal passou a pagar o Auxílio Emergencial do Trabalhador para aqueles que foram afetados pela pandemia de Covid-19 não refletiram em ganhos de imagem na Bahia. As últimas pesquisas de opinião ratificaram que o estado é o principal foco de rejeição ao bolsonarismo no país. Metade dos baianos consideram que o presidente faz uma gestão ruim ou péssima. Na capital Salvador, 62% rechaçam a administração federal.

Dados do IBGE apontam que a Bahia ficou só atrás de São Paulo e foi o segundo estado que mais recebeu o auxílio emergencial durante a pandemia, com 61,2% das pessoas beneficiadas. Uma pesquisa do Instituto DataPoder 360, divulgada em julho, mostrou que o presidente ganhou cinco pontos percentuais na sua aprovação, subindo para 27%. Mas, no estado, 50% dos baianos o rejeitam.

A situação de Bolsonaro é ainda mais grave em Salvador. Nenhuma capital rechaça tanto o governo do presidente quanto a cidade. O índice de 62% está dez pontos percentuais acima dos números registrados em Porto Alegre, a segunda capital que mais rejeita o bolsonarismo, segundo levantamento do Ibope divulgado em outubro.

Melhorar a imagem no Nordeste tem sido uma das prioridades elencadas por Bolsonaro para antes da eleição de 2022. Salvador é a quarta cidade com a maior proporção de eleitores no país, com mais de 1,8 milhão. Já a Bahia, com mais de 10 milhões de eleitores, é o quarto colégio eleitoral entre todos os estados brasileiros. Em 2018, o petista Fernando Haddad conquistou 72% dos votos na disputa de segundo turno contra o atual presidente. Bolsonaro ganhou em apenas quatro das 417 cidades baianas. Em Salvador, o presidente perdeu em todas as zonas eleitorais.

Os resultados das pesquisas apontam para tendências históricas que remetem a dois movimentos políticos de destaque no estado. Um deles é o petismo, hoje representado por dois personagens de atuação mais independente com relação ao diretório nacional do partido. Tanto o governador Rui Costa quanto o senador Jaques Wagner possuem capital político suficiente para tomarem escolhas próprias no estado, como no caso em que escolheram a major Denice Santiago para disputar a prefeitura de Salvador. Além disso, conseguem utilizar o respaldo que possuem junto à população local para antagonizarem em nível nacional com Bolsonaro. Costa bateu de frente com o bolsonarismo em diversas ocasiões, como se viu ao longo de toda a pandemia de Covid-19.

A outra força política no estado é o carlismo, encarnado hoje pelo prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM). A força política do neto de Antônio Carlos Magalhães, ex-governador da Bahia por três mandatos, aponta para a eleição no primeiro turno do vice de sua gestão, Bruno Reis (DEM). Durante a pandemia, ACM Neto também se tornou um adversário político de Bolsonaro por entender que o presidente estava atrapalhando na aplicação das medidas de combate ao novo coronavírus. A unificação do discurso de ACM e Costa mobilizou o eleitorado que aprova ambas as figuras políticas a ficar em lado contrário ao do presidente. Só em Salvador, Costa tem 63% de aprovação, enquanto ACM tem 73%, segundo o Ibope.

Em 2022, Costa e ACM estarão em lados opostos na disputa pela presidência, mas ambos caminharão contra o bolsonarismo. O governador já colocou seu nome à disposição para ser pré-candidato e tende a continuar junto do PT na corrida eleitoral. Já ACM é presidente do DEM, um partido de centro-direita que tem atuado em conjunto com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), um dos postulantes ao Palácio do Planalto. Nesta semana, personalidades do DEM também acenaram favoravelmente à candidatura do apresentador Luciano Huck (sem partido). Em entrevistas, Costa e ACM já manifestaram a intenção de formar uma frente democrática e suprapartidária para derrotar o bolsonarismo, mas nenhuma ação concreta foi tomada até agora nesse sentido. Se houver um entendimento, ele só deverá se manifestar num eventual segundo turno.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 105768 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]