Apoio do ex-presidente Lula à Guilherme Boulos atrai mais eleitores do que Jair Bolsonaro e João Doria no segundo turno das Eleições 2020 para prefeito de São Paulo

Lula e Gleisi Hoffmann se reuniram nesta sexta-feira com Rafael Mayoral, do partido Podemos, da Espanha, e Guilherme Boulos, do MTST. Conversaram sobre a situação política no Brasil e na Europa e a importância da luta social por mais direitos e democracia, em 10 de novembro de 2017.
Ex-presidente Lula (PT) declarou apoio a Guilherme Boulos (PSOL) no segundo turno das Eleições 2020 para prefeito de São Paulo.

Para o eleitor paulistano, entre o governador João Doria (PSDB), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-presidente Lula (PT), o padrinho político com maior influência positiva é o petista. É o que mostra a mais recente pesquisa Datafolha, realizada na última segunda-feira, 23.

O levantamento mostra que o apoio de Lula a nas eleições deste ano levaria 25% dos eleitores a escolherem o candidato com certeza. O índice cresceu ao longo dos últimos meses: em setembro, eram 20% dos eleitores, em outubro, 21%, chegando a 25% em novembro.

No segundo turno, Lula declarou apoio ao candidato do PSOL, Guilherme Boulos. Na propaganda eleitoral, o petista aparece também com Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Flavio Dino (PCdoB).

O número de eleitores que não votariam de jeito nenhum em um candidato apoiado por Lula caiu entre setembro e novembro, mas segue alta. No levantamento de setembro, o índice era de 57% e, na pesquisa mais recente do Datafolha, chegou a 52%.

O apoio de Jair Bolsonaro levaria 16% dos eleitores a votarem no candidato em questão. O presidente não declarou apoio no segundo turno e, no primeiro, esteve com Celso Russomanno (Republicanos).

Entre outubro e novembro, aumentou o número de eleitores que não votariam de jeito nenhum em um candidato apoiado por Bolsonaro. Há um mês o índice era de 63% e, em novembro, chegou a 66%.

Em relação a João Doria, padrinho político de Bruno Covas (PSDB), ele é o com menor influência para que os eleitores escolham o candidato em quem votar: 13%. O índice cresceu cinco pontos percentuais desde setembro, quando era de 8%.

Os que não votariam de nenhuma forma em um candidato apoiado por Doria representam 61% dos entrevistados.

A pesquisa feita em 23 de novembro ouviu 1.260 eleitores na cidade de São Paulo, todos com 16 anos ou mais. A margem de erro é de 3 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%.

Eleições em São Paulo

São Paulo é o maior colégio eleitoral do Brasil com quase 9 milhões de pessoas aptas a votar. Com 32.85% dos votos válidos no primeiro turno, Bruno Covas (PSDB) enfrenta Guilherme Boulos (PSOL) que teve 20.24% dos votos válidos.

Covas é prefeito da cidade desde 2018, quando assumiu após o prefeito eleito João Doria (PSDB) deixou o cargo para disputar — e ganhar — o Governo do Estado. Foi Bruno quem esteve à frente da cidade na pandemia do coronavírus.

Já Boulos ficou nacionalmente conhecido em 2018, quando foi candidato do PSOL à presidência. Conhecido por sua atuação com o MTST, ele é professor e concorre pela primeira vez ao cargo. Sua vice, Luiza Erundina, foi prefeita de São Paulo no final da década de 1980.

*Com informações do Yahoo Notícias.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9017 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).