Milícias controlam ruas de mais de 20% dos bairros do grande Rio de Janeiro

Vista da comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro.Vista da comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro.


As milícias estão presentes em mais de um quinto dos bairros do Grande Rio. A constatação é de pesquisa do Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos da Universidade Federal Fluminense (UFF) e do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP), em parceria com o Disque-Denúncia e as plataformas Fogo Cruzado e Pista News.

As milícias são grupos armados ilegais, que vêm ganhando terreno no estado do Rio de Janeiro, através da extorsão a moradores e a comerciantes e do controle de serviços clandestinos como transporte alternativo, TV a cabo e venda de gás de botijão.

De acordo com o estudo, as milícias controlam todas as comunidades em 21,8% dos bairros da região metropolitana.

Elas têm uma atuação diferente das facções de tráfico de drogas e seu controle muitas vezes extrapola as áreas das favelas. O transporte alternativo controlado pelas milícias, por exemplo, circula pelas ruas do bairro. Por isso, é difícil precisar a influência dessas quadrilhas armadas em suas áreas de atuação.

Tráfico de drogas

Já no caso do tráfico de drogas, esse controle é mais restrito aos territórios das comunidades carentes ou às favelas transformadas em bairros (como a Rocinha). “Nas milícias, a gente vê um domínio espalhado mais pelo bairro inteiro, enquanto no tráfico a gente vê um controle mais restrito ao polígono das comunidades”, afirmou a pesquisadora Maria Isabel Couto.

Segundo o estudo, em muitos bairros, uma facção de tráfico de drogas específica possui o controle total das favelas localizadas naquela área. O Comando Vermelho, por exemplo, controla todas as comunidades de 23,7% dos bairros do Grande Rio.

“Chama atenção a presença forte das milícias nos bairros da região metropolitana. O Comando Vermelho ainda aparece como facção dominante, mas a milícia aparece logo atrás. A gente falava como um fenômeno carioca, mas ela é agora um fenômeno fluminense. A população nas áreas de comando de milícia também é muito maior”, disse a pesquisadora.

O Terceiro Comando controla todas as favelas de 3% dos bairros. Já a Amigos dos Amigos têm o controle hegemônico das comunidades de 0,3% dos bairros.

Em 18,1% dos bairros da região metropolitana, os controles das comunidades ou mesmo de ruas fora das favelas é dividido entre mais de uma facção. Em 33,1% dos bairros não houve denúncias de controle por parte de qualquer facção.

Atuação no Rio

Na cidade do Rio, a presença das facções é ainda maior. As milícias controlam todas as comunidades de 25,5% dos bairros.

Em seguida, aparecem o Comando Vermelho (24,2%), Terceiro Comando (8,1%) e Amigos dos Amigos (1,9%). Em 32,3% dos bairros há a presença de mais de uma facção. E em apenas 8,1% dos bairros não foi constatada a presença de facções.

Os dados se referem a informações obtidas em 2019 pelos pesquisadores. A ideia é ampliar a pesquisa e fazer atualizações dessas informações. Veja o mapa com as comunidades que são controladas pelas facções.

*Com informações da Agência Brasil.

Mapa apresenta localização das milícias do Rio de Janeiro.

Mapa apresenta localização das milícias do Rio de Janeiro.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]