Caso Furta Rerum Natura: Venda de áreas de APP, enriquecimento ilícito, corrupção e degradação ambiental em Praia do Forte e Imbassaí são denunciados; MPF abre investigação

Inquérito do MPF apura supostos crimes ambientais nos Distrito de Praia do Forte e Imbassaí, em Mata de São João.
Inquérito do MPF apura supostos crimes ambientais nos Distrito de Praia do Forte e Imbassaí, em Mata de São João.

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou procedimento investigatório com a finalidade de averiguar denúncia de crime envolvendo Áreas de Proteção Permanente (APP) situadas nos Distritos de Praia do Forte e Imbassaí, em Mata de São João.

O Inquérito Civil Público n.º 1.14.000.002178/2020-04 objetiva “apurar a supressão de vegetação nativa em uma suposta área de restinga localizada na entrada de Praia do Forte, onde está sendo construído o empreendimento ‘La Laguna’, pela construtora Realeza”.

O MPF investiga, também, construção de ligação viária entre Praia do Forte e Imbassaí.

O esquema

Fontes do Jornal Grande Bahia (JGB) revelam a existência de poderoso esquema de corrupção no município de Mata de São João, que ocasiona transferência ilegal de áreas de APP,  destruição do bioma local, promoção de Termos de Ajustes de Condutas (TAC) com a finalidade de legalizar esquemas ilícitos de ocupação de áreas, enriquecimento ilícito e falta de planejamento dos sistemas viários e de esgotamento sanitário, dentre outras práticas que degradam a natureza e direitos sociais.

Em síntese, do império da Lei, a região litorânea de Mata de São João se transformou na terra de bárbaros crimes ambientais. Neste contexto, a investigação do MPF apenas analisa dois dos possíveis inúmeros atos ilícitos, praticados em uma das regiões mais belas e valorizadas do Brasil.

Denominação

Caso Furta Rerum Natura é uma frase em latim que faz referência ao ‘Roubo da Natureza’.

 

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9321 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).