MPBA e Polícia Civil deflagram Operação Fariseu objetivando prender líder religioso Jair Tércio Cunha por violência de gênero

Ministério Público da Bahia deflagrou a Operação Fariseu.Ministério Público da Bahia deflagrou a Operação Fariseu.

O Ministério Público da Bahia (MPBA) realizou na manhã desta quinta-feira (17/09/2020), a Operação Fariseu, que busca cumprir um mandado de prisão preventiva contra o líder religioso Jair Tércio Cunha, de Salvador. O “guru espiritual” foi denunciado por violência de gênero, violação sexual mediante fraude, estupro de vulnerável (uma das vítimas tem 16 anos e outra fez 18 este ano) e lesão corporal por ofensa à saúde mental contra quatro vítimas. A operação conjunta dos Grupos de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) e de Defesa da Mulher e da População LGBT (Gedem) do MP e da Secretaria de Segurança Pública e Polícia Civil, por meio do Departamento de Polícia Metropolitana (Depom)  e da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços nos quais o denunciado exercia suas atividades, com o objetivo de obter novas provas.

De acordo com a coordenadora do Gedem, promotora de Justiça Sara Gama, “os crimes são agravados por terem sido cometidos no âmbito doméstico, dada a relação de afetividade formada entre o autor do fato e essas vítimas”. O Gedem foi acionado pela ouvidoria das mulheres do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), que relatou 14 mulheres acusaram o denunciado de crimes de natureza sexual, o que levou o MP a instaurar o procedimento investigativo que analisou as provas que embasaram a denúncia. A promotora afirmou ainda que o acusado “adota essas práticas delituosas há anos e, como continua em atividade religiosa, a sua prisão preventiva foi decretada para proteger as vítimas e evitar o eventual cometimento de novos crimes”. Sara Gama destacou que o MP possui dois canais para denúncias de eventuais vítimas, o e-mail [email protected] e o telefone 08006424577.

A promotora de Justiça Márcia Teixeira, que ficou responsável pelo caso e colheu o depoimento das vítimas, afirmou que o sigilo foi pedido por elas com base no “fundado temor”, por parte das vítimas em relação ao acusado e a alguns dos seus seguidores. Até agora, a promotora já ouviu nove vítimas e seis testemunhas, algumas das quais foram vítimas no passado. “Os crimes cometidos contra essas testemunhas já prescreveram, mas serviram para nos mostrar a consistência da prática criminosa por parte do acusado, que já adotava o mesmo método há mais de 30 anos”, frisou Márcia Teixeira. Nove mulheres ainda serão ouvidas sobre o caso.

A denúncia apresentada hoje pelo MP se baseou em investigação que mostrou “veementes indícios de cometimento de crimes de violência de gênero”. De acordo com as apurações, o investigado se autoproclamava um ser iluminado e se inseria em ambientes sociais, onde fazia um trabalho preliminar, rotulado como “despertar do ser humano”, para, então, aproveitando-se da relação de confiança adquirida e submeter as vítimas a atos de violência de ordem sexual, moral e psicológica.

Também participaram da coletiva  os promotores de Justiça Aroldo Almeida e Clarissa Diniz, integrantes do Gaeco; além da delegada do Deam, Izabella Chamadoiro.

*Com informações do Ministério Público do Estado da Bahia (MPBA).

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]