Minério da Bahia tipo exportação começa a ser escoado pelo terminal portuário da Enseada em Maragogipe

Complexo naval, portuário e industrial da Enseada fica situado em Maragogipe.Complexo naval, portuário e industrial da Enseada fica situado em Maragogipe.

O dia 31 de julho de 2020 vai ficar para a história do moderno complexo naval, portuário e industrial da Enseada, localizado em Maragogipe, no Recôncavo baiano. Na manhã de sexta-feira (31), o navio Star Athena, de bandeira Norueguesa, atracou no Terminal de Uso Privativo (TUP) da Enseada para receber o carregamento de 44 mil toneladas de minério de ferro baiano. A operação de carregamento está prevista para ocorrer até o próximo dia 5 de agosto e marca o início das operações portuárias no TUP da Enseada.

Para o diretor Industrial da Enseada, Mário Moura, a operação certificará o complexo industrial, portuário e naval baiano como um importante player nacional para operações logísticas seguras e eficientes. “Estamos oferecendo a Bahia mais uma alternativa para escoamento de suas riquezas um TUP com posição privilegiada, águas abrigadas e calado profundo”, revelou Moura.

 O navio Star Athena é um transportador de granéis construído em 2012 e com capacidade de carga de 57809 toneladas. Possui calado de 6,5 metros, comprimento total de 189,99 metros e largura de 32,26 metros. Após o carregamento, a embarcação segue com as 44 mil toneladas de minério baiano para a China.

 “Esta retomada das operações do Estaleiro Enseada é muito importante para a economia baiana, gerando impacto positivo na nossa balança comercial. Tivemos reunião hoje com o presidente do Estaleiro, Maurício Almeida, e estamos discutindo, inclusive, a utilização do equipamento como terminal de granéis líquidos, para a fabricação de torres eólicas e navios, desmonte de grandes navios e manutenção de plataformas e embarcações, além de seu uso como porto para o escoamento de grãos. Tínhamos uma reunião com o Porto de Barcelona, que estava agendada para 18 de março, além da recepção uma missão de empresários espanhóis para prospectar novas oportunidades de negócios para o Estaleiro. Veio a pandemia e tivemos que adiar esta agenda que vamos retomar com todo vapor, assim como a negociação com outros parceiros do exterior”, destacou o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro.

 Para o vice-governador João Leão, secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, o reaquecimento de atividades da Enseada é estratégico para o setor naval, portuário e para a mineração baiana. “A Bahia é líder nacional na produção de 11 bens minerais, temos a perspectiva de crescimento do segmento mineiro com a Ferrovia de Integração Oeste-Leste, de um lado, e, agora, com o estaleiro, do outro lado. Este é o maior estaleiro do país, que já foi celeiro de oportunidades e gerou mais de 7 mil empregos. Estamos prospectando novas províncias minerais, por meio da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), e esse conjunto de ações vai contribuir significativamente com a retomada do desenvolvimento em nosso Estado”, afirmou.

“A Enseada será uma ferramenta importante para a geração de emprego e renda para a Bahia durante processo de retomada das atividades econômicas no período pós-pandemia. A construção da ponte sobre o Rio Baetantã, em Maragogipe, pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Infraestrutura, facilita o transporte das cargas que seguem em direção ao terminal. Agora, o deslocamento dos produtos que embarcarão do estaleiro será facilitado”, destaca o secretário de Infraestrutura da Bahia, Marcus Cavalcanti.

Sobre a Enseada 

A empresa oferece soluções integradas de engenharia para projetos navais, logísticos-portuários e industriais, aliando inovação, qualidade, produtividade e uma abrangente política de sustentabilidade que a diferencia. Além disso, possui uma sólida política de governança.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).