Os potenciais e riscos do novo marco do saneamento; No Brasil, 100 milhões vivem sem serviço de esgoto e 35 milhões sem água

Saúde da população do Brasil é afetada negativamente com precariedade do serviço de saneamento.
No país em que 100 milhões vivem sem serviço de esgoto e 35 milhões sem água, universalizar saneamento é urgente. Lei para atrair recursos não estatais avança em meio à pandemia, mas é criticada como privatista demais.

Cerca de 100 milhões de brasileiros ainda vivem sem serviço de esgoto, quase metade da população do país, e 35 milhões sem água encanada, das quais 12 milhões em regiões metropolitanas. Uma condição precária que eleva a mortalidade infantil por diarreia, dificulta a higiene necessária para evitar contaminação por doenças como a Covid-19 e prejudica a inserção econômica desses moradores.

O governo federal e entidades do setor estimam ser necessários cerca de R$ 700 bilhões para universalizar o acesso a esgoto e água encanada, montante próximo ao gasto com Previdência neste ano, maior despesa do Orçamento federal. Diante da baixa capacidade de investimento do estado e do teto de gastos, que limita o crescimento das despesas públicas, começou a tomar corpo há dois anos no Congresso uma proposta para atrair recursos privados para o saneamento, aprovada no Senado na quarta-feira (24/06).

O novo marco legal do saneamento, que havia passado pela Câmara em 2019 e agora depende da sanção do presidente Jair Bolsonaro, ganhou impulso na pandemia ao prometer resolver o problema do acesso à água — cuja falta em diversas favelas dificultou a adoção de medidas de higiene para evitar a covid-19 — e gerar milhares de empregos a partir do ano que vem.

O texto não foi aprovado sem contestação. Treze senadores votaram contra o projeto, incluindo toda a bancada do PT. O deputado federal Marcelo Freixo, do PSOL do Rio, foi ao Twitter lembrar que cidades europeias que concederam o serviço à iniciativa privada, como Paris e Berlim, voltaram atrás recentemente. E há ceticismo sobre a viabilidade da expansão da rede de esgoto por operadores privados em favelas adensadas, que dependeria de obras de reurbanização.

Como o saneamento funciona hoje

Desde a Constituição de 1988, a administração dos serviços de água e esgoto é responsabilidade dos municípios, que podem criar estatais municipais para operar o serviço ou concedê-lo a empresas públicas estaduais ou companhias privadas.

A maior parte dos brasileiros (72%) é atendida por companhias públicas estaduais, que estruturavam a política sanitária da ditadura militar. Após a redemocratização, conceder o saneamento a uma dessas empresas estaduais passou a ser a solução mais fácil para a grande maioria dos municípios. Algumas dessas empresas, com a Sabesp, de São Paulo, hoje têm ações negociadas em bolsa e distribuem lucros a acionistas. As autarquias municipais de saneamento atendem 22% dos brasileiros, e apenas 6% da população moram em cidades que concederam o serviço a uma empresa privada.

No governo Michel Temer, a privatização de estatais do setor de saneamento passou a ser uma das condições para estados em dificuldades financeiras receberem socorro do governo federal. É o caso do Rio de Janeiro, cuja estatal de saneamento, a Cedae, pode ser privatizada neste ano.

Como fica com o novo marco

O texto aprovado no Senado altera três pontos importantes do regime de saneamento do país. O primeiro é centralizar na esfera federal a definição de regras e metas sobre a concessão dos serviços de água e esgoto, por meio da Agência Nacional de Águas (ANA). Hoje, essas regras estão fragmentadas em diversas agências estaduais e municipais. Uma das metas estabelecidas pelo marco é universalizar o serviço sanitário, levando água potável encanada a 99% da população e a rede de colerta e tratamento de esgoto a 90%.

Os municípios também serão obrigados a fazer licitações, aberta a concorrentes públicos e privados, para conceder seu serviço de água e esgoto. Atualmente, cidades que decidem conceder a operação do saneamento em seu território à empresa pública do estado não precisam fazer licitação. Haverá um período de transição e, até março de 2022, contratos entre municípios e empresas públicas estaduais que comprovarem terem capacidade financeira para cumprir a meta de universalização poderão ser renovados por mais 30 anos.

Por fim, as cidades poderão aderir a blocos de municípios, que serão criados para aumentar o número de habitantes sob uma mesma licitação e viabilizar o serviço em áreas menos lucrativas vinculado a outras de maior potencial econômico.

O impacto do novo marco na expansão da rede e na criação de novos empregos não será imediato e deve levar cerca de dois anos, afirma à DW Brasil Teresa Vernaglia, presidente da BRK Ambiental, maior empresa privada de saneamento em atuação no país.

Ela afirma que a ANA ainda terá que se estruturar para cumprir suas novas atribuições e que faltam regulamentações por parte do governo, como a definição de como será aferida a capacidade financeira das empresas estaduais. Além disso, projetos para atrair os investidores ainda precisarão ser elaborados.

Promessa de mais eficiência e expansão da rede

Um argumento central dos defensores do novo marco é que a iniciativa privada conseguirá reduzir os custos da prestação do serviço e ampliar a rede com mais velocidade. “Quando você transfere a operação para a empresa privada você ganha em eficiência, não porque o Estado não saiba fazer uma boa gestão, mas porque as regras às quais o Estado está vinculado não permitem a mesma agilidade e flexibilidade do concessionário privado”, afirma a advogada Patricia Pessoa Valente, pesquisadora do Centro de Regulação e Democracia do Insper.

Questionada se a concessão à iniciativa privada elevará as tarifas cobradas do consumidor, Valente diz que isso é “possível”, a depender de cada contrato de concessão, mas afirma que criticar o novo modelo com base na tarifa “desconsidera os benefícios da concessão para o usuário, que vai ter a garantia da concessão do serviço e para quem reclamar, e o poder público vai ter de quem cobrar”.

Para Vernaglia, o valor da tarifa, isolado, também não seria o melhor indicador para discutir a concessão do saneamento, mas ela diz que, na maioria dos 12 estados onde a BRK Ambiental opera, o valor cobrado do consumidor é inferior ao praticado pelas empresas públicas. “Tarifa cara é aquela que você paga e não tem o serviço”, diz.

Ela afirma que a tarifa de água e esgoto cobrada no Brasil é uma das mais baixas no mundo, e que, “quando se compara o custo da água com os de todas as outras necessidades de uma família, água e esgoto não representa 1% ou 2%”.

Além do risco de aumento da tarifa, críticos do novo marco do saneamento também mencionam a experiência de cidades do mundo que reestatizaram seus serviços nos últimos anos. Um estudo do Instituto Transnacional (TNI), centro de pesquisas holandês, identificou 267 casos em que o poder público concedeu o serviço sanitário à iniciativa e depois voltou atrás, de 2000 a 2017.

Para Vernaglia, a comparação com casos como o de Paris ou Berlim, que reestetizaram seus serviços sanitários, é inadequada porque envolve cidades que já concluíram a universalização da sua rede de água e esgoto, o que não é o caso do Brasil, que necessita de investimentos para a ampliação da rede.

“Temos mais de 2,5 mil municípios que têm contratos com as empresas estaduais, e continuam sem ter esgoto. Hoje não há condição financeira do estado para fazer frente a esse investimento, então é o privado que vai ter que fazer. E para o privado fazer, tem que ter uma nova regulamentação, que é o que foi aprovado ontem”, diz

Críticas à predominância privada

Alceu Guérios Bittencourt, diretor nacional da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, recebeu o novo marco com ressalvas. Ele afirma que o texto retira a autonomia dos municípios para decidir sobre o serviço de saneamento, ao proibi-los de contratar livremente as empresas públicas estaduais e ao estabelecer que as cidades que não aderirem aos blocos regionais perderão acesso a recursos federais para o setor. Por esse motivo, vê risco que esses itens sofram contestação judicial.

Bittencourt afirma que sua entidade não é contra a atuação do setor privado setor, mas que o marco aprovado pende excessivamente para esse lado. “Há bons casos de operação por operadores privados, assim como casos em que não foram bem. E não é verdade que nada funciona [no setor público], há companhias estaduais eficientes e forçar a contratação privada pode ser um retrocesso”, diz.

Ele afirma que um obstáculo para que as concessões privadas tenham sucesso na ampliação da rede é a configuração urbana das áreas em que falta esgoto e água encanada, como em favelas. Em alguns desses locais, diz, é impossível implementar o serviço de esgoto sem que a favela seja urbanizada, o que demandaria uma atuação efetiva do poder público.

“Foram feitos paralelos com o setor elétrico, mas ele é de titularidade federal e, fisicamente, a eletricidade é distribuída de modo mais simples. Há áreas urbanas extremamente densas, em algumas você consegue entrar com a rede [sanitária], em outras não consegue”, afirma

Por esse motivo, diz, é mais fácil encontrar casos de sucesso de operação privada do saneamento em cidades de renda mais alta e com estrutura urbana mais organizada. “Nas áreas de periferia das grandes cidades, isso não vai se resolver sem a participação dos municípios e dos estados. [A concessão] foi acionada como uma solução mágica, mas vamos ter problemas na sequência”, diz.

*Com informações do DW.

Saúde da população do Brasil é afetada negativamente com precariedade do serviço de saneamento.
Saúde da população do Brasil é afetada negativamente com precariedade do serviço de saneamento.
Marco legal do saneamento objetiva privatizar serviço no Brasil.
Marco legal do saneamento objetiva privatizar serviço no Brasil.
Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 107963 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]