OCDE prevê recessão global de pelo menos 6% em 2020

Infográfico projeta recessão global para 2020 e 2021. Segundo a OCDE, um forte apoio fiscal é garantido no contexto da pandemia da Covid-19, mas tem consequências. Os gastos públicos devem ser bem direcionados para apoiar os mais vulneráveis e fornecer o investimento necessário para uma recuperação sustentável.
Infográfico projeta recessão global para 2020 e 2021. Segundo a OCDE, um forte apoio fiscal é garantido no contexto da pandemia da Covid-19, mas tem consequências. Os gastos públicos devem ser bem direcionados para apoiar os mais vulneráveis e fornecer o investimento necessário para uma recuperação sustentável.

A pandemia deixou consequências econômicas “desastrosas”, sem precedentes e com efeitos a longo prazo. O alerta da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) faz parte do relatório com as previsões mundiais, divulgado esta quarta-feira (10/06/2020).

A OCDE prevê para 2020 uma recessão da economia mundial de, pelo menos, 6,0% e aponta como os países europeus mais afetados: França, Itália e Reino Unido.

A organização inclui dois cenários “prováveis nas projeções”. Em relação ao mais negativo, que assume uma segunda vaga da pandemia até ao final deste ano, o PIB mundial pode registar uma quebra de 7,6% e arrastar para a recessão a maioria dos países.

Em declarações à Euronews, o secretário-geral da OCDE defendeu um futuro com mais integração. Lembrou que os sistemas de saúde não são da responsabilidade da Comissão Europeia mas de cada um dos países e que há diferentes políticas e diferentes formas de ler os números e de reagir aos números. Para Angel Gurria, a União Europeia tem conseguido “uma abordagem bastante estável e generalizada”.

Para a OCDE, o mundo enfrenta a maior crise sanitária e econômica desde a Segunda Guerra mundial e vão ser precisas políticas extraordinárias para atingir o equilíbrio e começar a recuperação econômica.

Portugal

Em relação a Portugal, e se houver uma segunda onda de contágios, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico admite que a economia possa cair 11,3% em 2020 e que o desemprego aumente para 13%. Neste cenário, a OCDE antecipa uma retoma lenta e a possibilidade de serem necessárias medidas de apoio adicionais.

No cenário macroeconômico que acompanha a proposta de Orçamento Suplementar para 2020, o governo português aponta para uma contracção do PIB de 6,9% em 2020.

Sobre Carlos Augusto 9706 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).