Carta da ONU é guia para enfrentar desafios e corrigir fragilidades atuais

Vinton Cerf, pioneiro da Internet e vice-presidente do Google, participa do painel interativo sobre a ONU no passado, presente e futuro, durante a comemoração virtual da assinatura da Carta das Nações Unidas por ocasião do Dia da Carta das Nações Unidas, 26 de junho de 2020.
Vinton Cerf, pioneiro da Internet e vice-presidente do Google, participa do painel interativo sobre a ONU no passado, presente e futuro, durante a comemoração virtual da assinatura da Carta das Nações Unidas por ocasião do Dia da Carta das Nações Unidas, 26 de junho de 2020.

A ONU marca neste 26 de junho de 2020, os 75 anos da assinatura da Carta das Nações Unidas. O documento elaborado em 1945 na Conferência sobre Organização Internacional em São Francisco, nos Estados Unidos, entrou em vigor em 24 de outubro do mesmo ano.

Representantes de 50 países, incluindo o Brasil, firmaram a Carta da ONU no encerramento do evento, de dois meses. A Polônia, que esteve como integrante original, formalizou esse ato dois meses depois.

Pandemia e protestos

Em mensagem, o secretário-geral, António Guterres, realça que a Carta da ONU e seus princípios continuam sendo verdadeiros atualmente. Ele citou problemas recentes que devem ser confrontados e resolvidos: a pandemia e os protestos contra o racismo.

Mas Guterres aponta ainda o que chama de valores duradouros que conduzem ao futuro novo começando pela fé em direitos humanos fundamentais.

O secretário-geral mencionou os direitos iguais de homens e mulheres, a dignidade e o valor de cada pessoa, o direito internacional e a solução pacífica de disputas, além de melhores padrões de vida “em maior liberdade”.

Guterres destacou ainda o que deve ser superado para esse futuro, incluindo os danos ao meio ambiente, a busca de solução as mudanças climáticas, a rejeição ao fanatismo e a celebração da diversidade humana. Ele sublinhou que os jovens devem assumir a liderança em vários campos da sociedade.

Mulheres

A mensagem destaca que quando as Nações Unidas foram fundadas, não existiam ameaças como o crime cibernético e o discurso de ódio online. Para Guterres, a Carta mostra como fazer frente a esses desafios.

A mensagem termina com um apelo à humanidade e à união para que seja realizada a visão de paz, direitos humanos e justiça para todos mencionada nesse tratado. Entre os presentes na conferência de São Francisco estava a cientista e diplomata brasileira Bertha Lutz. Ela liderou um grupo de mulheres que permitiram que a igualdade de gênero fosse mencionada na Carta da ONU.

A inclusão da defesa dos direitos das mulheres e a criação de um órgão intergovernamental para a promoção da igualdade de gênero no documento fizeram parte das propostas desse grupo de participantes latino-americanas.

*Com informações da ONU News.

Vinton Cerf, pioneiro da Internet e vice-presidente do Google, participa do painel interativo sobre a ONU no passado, presente e futuro, durante a comemoração virtual da assinatura da Carta das Nações Unidas por ocasião do Dia da Carta das Nações Unidas, 26 de junho de 2020.
Vinton Cerf, pioneiro da Internet e vice-presidente do Google, participa do painel interativo sobre a ONU no passado, presente e futuro, durante a comemoração virtual da assinatura da Carta das Nações Unidas por ocasião do Dia da Carta das Nações Unidas, 26 de junho de 2020.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109816 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]