Senadores cobram divulgação de vídeo em que presidente teria defendido interferência na PF

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Reunião do presidente Jair Bolsonaro e ministros, ocorrida em 22 de abril de 2020.
Reunião do presidente Jair Bolsonaro e ministros, ocorrida em 22 de abril de 2020. Senadores cobram divulgação de vídeo em que Bolsonaro teria defendido interferência na PF.
Reunião do presidente Jair Bolsonaro e ministros, ocorrida em 22 de abril de 2020.
Reunião do presidente Jair Bolsonaro e ministros, ocorrida em 22 de abril de 2020. Senadores cobram divulgação de vídeo em que Bolsonaro teria defendido interferência na PF.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) anunciou nesta terça-feira (12/05/2020) que pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a divulgação do vídeo de uma reunião ministerial na qual o presidente da República, Jair Bolsonaro, teria defendido uma interferência pessoal na Polícia Federal.

A reunião foi mencionada pelo ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, em depoimento prestado no âmbito de um inquérito que apura denúncias de interferência de Bolsonaro no comando da Polícia Federal. O pedido de Randolfe foi encaminhado ao ministro Celso de Mello, relator do caso no STF.

— [Retirar o sigilo] é um dever republicano que a nação exige neste instante — disse o senador durante a sessão deliberativa remota desta terça.

Moro deixou o governo no último dia 24, após a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. O ex-ministro relatou que vinha sofrendo pressões de Bolsonaro para que a PF mantivesse o governo informado sobre operações que envolvessem a família do presidente. Segundo Moro, Bolsonaro defendeu abertamente o aparelhamento da PF para esse fim numa reunião ministerial no dia 22, que foi registrada em vídeo. A gravação foi entregue ao STF.

O vídeo da reunião foi exibido nesta terça-feira, em audiência sigilosa, para integrantes da Procuradoria-Geral da República e outras pessoas envolvidas na condução do inquérito. A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) também defendeu a retirada do sigilo, afirmando que informações sobre o seu conteúdo já têm chegado ao público.

— A imprensa dá conta de que o presidente teria pressionado pela mudança na Polícia Federal em nome de seus filhos. Isso é uma denúncia grave que precisa ser apurada. O Brasil não merece ter um presidente sob suspeição — disse ela durante a sessão.

O senador Otto Alencar (PSD-BA) também alertou para o fato de que trechos do vídeo já estão vazando pela imprensa, e que eles revelam as ações de Bolsonaro para proteger seus filhos. Ele pediu que o Senado intervenha junto ao STF para ter acesso ao material.

— Isso não pode ficar embaixo do tapete. As palavras usadas, segundo imprensa, são duras e não deveriam estar numa reunião de ministros com o presidente da República. É um momento grave do Brasil e o Senado tem obrigação de estar atento às revelações — disse Otto Alencar.

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), por sua vez, disse aguardar com expectativa que a gravação venha a público, e observou que o próprio presidente Jair Bolsonaro já teria se manifestado a favor da divulgação de trechos do vídeo da reunião.

Outros senadores se manifestaram sobre o assunto pelas redes sociais. Humberto Costa (PE), afirmou que, segundo as informações já divulgadas, a gravação revela “crimes de responsabilidade” que precisam vir a público.

“O Brasil tem o direito de saber o que o presidente tramou, em conjunto com o seu alto escalão, para proteger a si e a sua família da investigação sobre os delitos que lhe são atribuídos”, escreveu.

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) também avaliou que a reunião pode oferecer evidências suficientes para que Bolsonaro seja removido da Presidência.

“Caso a gravação contenha tudo o que a imprensa diz que contém, estamos diante da prova de que o presidente interferiu politicamente na PF. A casa pode ter caído de vez para Bolsonaro”, afirmou.

Por sua vez, o líder do Podemos, Alvaro Dias (PR), alertou para “vazamentos seletivos” e disse que a gravação deveria ser publicada para eliminar “dúvidas”.

“A divulgação da íntegra do vídeo passa a ser uma exigência de transparência e do dever à publicidade dos atos públicos”, defendeu.

Com informações da Agência Senado.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123117 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.