Mercado piora em mais de R$ 100 bilhões rombo primário previsto para 2020, a R$ 571 bilhões

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Mansueto Almeida, secretário do Tesouro Nacional.
Mansueto Almeida, secretário do Tesouro Nacional.
Mansueto Almeida, secretário do Tesouro Nacional.
Mansueto Almeida, secretário do Tesouro Nacional.

Economistas preveem que o rombo primário do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência Social) será de 571,409 bilhões de reais em 2020, piora de mais de 100 bilhões de reais frente ao patamar calculado apenas um mês antes, refletindo a rápida deterioração das expectativas para as contas públicas em meio à pandemia de coronavírus.

Os dados constam em relatório Prisma Fiscal do Ministério da Economia, divulgado nesta quinta-feira. O boletim considera dados coletados até o quinto dia útil deste mês.

No Prisma de abril, a expectativa era de déficit primário de 459,750 bilhões de reais para o governo central em 2020.

A estimativa mais recente do governo, por sua vez, era de um rombo de 566,6 bilhões de reais, equivalente a 7,79% do Produto Interno Bruto (PIB).

Mas o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, afirmou na véspera que esse número será piorado na sexta-feira, quando o governo divulgará suas novas projeções fiscais.

A meta para o governo central neste ano é de um déficit de 124,1 bilhões de reais, mas o governo não precisará cumpri-la em função do estado de calamidade pública.

Para 2021, economistas também pioraram suas estimativas a um déficit de 169,402 bilhões de reais, frente a 139,486 bilhões de reais no mês anterior.

O governo fixou meta de déficit primário de 149,61 bilhões de reais para o ano que vem, mas pediu flexibilidade no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para que ela seja mudada sempre que as receitas para o próximo ano forem recalculadas, já admitindo que o oitavo déficit anual consecutivo do país deve ser muito pior.

Diante do forte descompasso entre receitas e despesas, a expectativa dos economistas agora é de dívida bruta em 89,95% do PIB em 2020 (86,50% antes) e 88,60% do PIB em 2021 (85,20% antes).

*Com informações de Marcela Ayres, da Agência Reuters.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113855 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]