Impeachment: a voz do povo não é a voz de Deus | Por Alberto Carlos Almeida

Alberto Carlos Almeida: se a opinião pública dispensasse a decisão das elites políticas, não haveria impostos e os serviços públicos seriam os melhores possíveis.Alberto Carlos Almeida: se a opinião pública dispensasse a decisão das elites políticas, não haveria impostos e os serviços públicos seriam os melhores possíveis.
Alberto Carlos Almeida: se a opinião pública dispensasse a decisão das elites políticas, não haveria impostos e os serviços públicos seriam os melhores possíveis.

Alberto Carlos Almeida: se a opinião pública dispensasse a decisão das elites políticas, não haveria impostos e os serviços públicos seriam os melhores possíveis.

O Datafolha perguntou para o todo o eleitorado brasileiro se ele era contra ou a favor o afastamento de Collor, Lula, Dilma, Temer e Bolsonaro. Estas pesquisas foram feitas nos momentos de crise, quando o impeachment de Collor, Lula, Dilma e Bolsonaro se tornou um assunto frequente junto à elite política, e no caso de Temer, na época que seu afastamento para ser processado pela corte mais alta do país estava para ser votado na Câmara.

Temer foi o campeão: 81% eram a favor de seu afastamento pela Câmara. No caso de Collor 75% eram a favor de seu impeachment, em Dilma os favoráveis a seu afastamento foram 65% e no caso de Bolsonaro agora esta proporção é de 45%. Temer – o campeão da rejeição popular neste quesito – não foi afastado, a Câmara rejeitou por duas vezes esta possibilidade. Lula também não foi afastado, para ele o Datafolha mostrou que uma minoria de 29% queriam que seu governo terminasse antes da data constitucional e uma maioria de 63% queriam que Lula fosse até o final de seu mandato.

Sou contra a ideia de que as pesquisas de opinião devam guiar a decisão dos legisladores acerca do afastamento de presidentes. Ao que parece os políticos concordam comigo, uma vez que não afastaram Temer. Se a opinião pública dispensasse a decisão das elites políticas, não haveria impostos e os serviços públicos seriam os melhores possíveis: é isso que o povo quer. Elites políticas responsáveis tomam decisões que muitas vezes são contrárias aos resultados de pesquisas, porque sabem que elas têm consequências de longo prazo ao passo que a opinião pública pensa apenas no curtíssimo prazo.

Collor e Dilma poderiam ter evitado seus afastamentos. A lição foi dada tardiamente por Michel Temer: a voz do povo não é a voz de Deus quando este é o assunto, a voz de Deus na verdade é a voz dos deputados. Uma boa relação do presidente com a Câmara e o Senado, traduzida em distribuição de cargos que mexam com recursos discricionários, e também na consulta a senadores e deputados antes que sejam tomadas decisões importantes, é suficiente para que o impeachment seja evitado mesmo que ele tenha uma avassaladora aprovação popular.

É compreensível que os defensores contumazes de impeachments recorram às pesquisas, citem-nas, a fim de atingir seus objetivos. Lamento apenas que isso tenha sido feito com Dilma, algo equivalente tenha sido tentando com Temer e agora esteja sendo debatido acerca de Bolsonaro. É uma completa vulgarização da deposição do presidente. No andar da carruagem, em breve, caberá perguntar se faz sentido mantermos o sistema de governo presidencialista.

*Alberto Carlos Almeida, 52 anos, é sócio da Brasilis e do Inteligov. É autor do best-seller “A cabeça do Brasileiro” e diversos outros livros. Foi articulista do Jornal Valor Econômico por 10 anos.

*Publicado na Revista Veja Online, em 1º de maio de 2020.

Reportagem do Jornal Estadão destaca declaração de André Mendonça, novo ministro da Justiça. Presidente Jair Bolsonaro é acusado de tentar controlar a PF.

Reportagem do Jornal Estadão destaca declaração de André Mendonça, novo ministro da Justiça. Presidente Jair Bolsonaro é acusado de tentar controlar a PF.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]