Banco Central dos EUA alerta para vulnerabilidades financeiras “significativas” em decorrência da pandemia

Sede do Sistema de Reserva Federal dos Estados Unidos.

Sede do Sistema de Reserva Federal dos Estados Unidos.

O Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) alertou nesta sexta-feira (16/05/2020) que o setor financeiro enfrenta vulnerabilidades “significativas” em razão da pandemia do coronavírus, já que empresas e famílias precisam lidar com finanças frágeis no futuro próximo.

Em seu último relatório sobre estabilidade financeira, o Fed disse que a pandemia global impôs riscos amplos. Embora as ações do Fed e de outros países tenham ajudado a fortalecer a economia e o sistema bancário tenha resistido ao golpe inicial, o relatório alertou para grandes riscos caso a pandemia se mostre prolongada ou mais severa do que o previsto.

“O surto do COVID-19 apresenta sérios riscos para empresas de todos os tamanhos e milhões de famílias”, afirmou o banco central ao analisar uma lista de problemas que podem surgir, dependendo de quanto tempo o vírus persista e mantenha a economia cambaleada.

É a mais recente sinalização do Fed de que a recuperação da crise ao Covid-19 será árdua. Desde o início da retração, as autoridades do Fed têm notado, com algum alívio, que o sistema financeiro não era a fonte do problema atual e que, com alguma ajuda do banco central, tinha continuado a funcionar.

O relatório desta sexta-feira observou as tensões financeiras, que poderiam aumentar se a crise persistir e se famílias e empresas continuarem privadas de salários e receitas.

Em resumo, ninguém —desde hedge funds a grandes bancos e famílias— estaria imune ao risco de inadimplência, de ser talvez forçado a vender ativos, acabar em falência ou ver o valor dos ativos depreciar.

*Com informações de Pete Schroeder e Howard Schneider, da Agência Reuters.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).