Encontro entre presidente Jair Bolsonaro e ministro Paulo Guedes e o debate sobre a política econômica proposta pelos ministros militares é revelado pela Revista Veja

“Os militares começaram bem e acabaram mal”, diz Paulo Guedes ao presidente Jair Bolsonaro. Ministro está preocupado com mudança na proposta neoliberal de extrema-direita. 
“Os militares começaram bem e acabaram mal”, diz Paulo Guedes ao presidente Jair Bolsonaro. Ministro está preocupado com mudança na proposta neoliberal de extrema-direita. 
“Os militares começaram bem e acabaram mal”, diz Paulo Guedes ao presidente Jair Bolsonaro. Ministro está preocupado com mudança na proposta neoliberal de extrema-direita. 
“Os militares começaram bem e acabaram mal”, diz Paulo Guedes ao presidente Jair Bolsonaro. Ministro está preocupado com mudança na proposta neoliberal de extrema-direita.

Reportagem de Thiago Bronzatto, publicada neste sábado (26/04/2020) na Revista Veja Online, revela que preocupado com os efeitos das crises econômica e de saúde pública, o presidente Jair Bolsonaro trocou a agenda liberal por um plano de investimento estatal. A ideia é fazer tudo aquilo que o ministro Paulo Guedes, o “Posto Ipiranga”, abomina: aumentar os gastos públicos para expandir as obras de infraestrutura no país. Essa nova estratégia foi anunciada nessa terça-feira, 22, pelo ministro-chefe da Casa Civil, general Walter Braga Netto, sem a presença do chefe da equipe econômica.

Nas últimas semanas, Guedes percebeu as investidas de Braga Netto na área econômica e reclamou com o presidente. Relembrando a época do regime militar no país, o ministro disse: “Os militares começaram bem e acabaram mal. Acabaram mal porque não privatizaram as empresas. Não abriram a economia. Não fizeram a transformação do Estado que nós queremos fazer”. Bolsonaro ouviu atentamente o seu “Posto Ipiranga”. Mas, poucos dias depois, o presidente deu aval para o chefe da Casa Civil e o ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, colocar em prática um plano reciclado da década de 1970.

O conflito entre a equipe econômica e a ala militar ocorre desde o início do governo Bolsonaro. Em março do ano passado, o empresário Salim Mattar, secretário especial de Desestatização, disse a VEJA que o ministério da Ciência e Tecnologia, comandada pelo astronauta Marcos Pontes, estava relutante em privatizar o Correios. “Ele (Marcos Pontes) tem cinco estatais (Correios, Correiospar, Telebras, Finesp e Ceitec) e não quer privatizar nenhuma delas”, afirmou.

Naquela época, a expectativa era arrecadar em quatro anos até 1 trilhão de reais com a venda e desinvestimentos de companhias públicas. Mas a realidade se impôs – e, até hoje, nenhuma “joia da coroa” foi negociada. A EBC, que o presidente prometeu fechar, continua de portas abertas, gerando despesas. Para piorar, em novembro do ano passado, foi criada uma nova estatal do setor aéreo, a NAV Brasil, com o apoio do Ministério da Defesa e de alguns militares. Guedes até tentou impedir nos bastidores essa façanha, mas não conseguiu e ainda acabou criando rusgas com o ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, responsável pelas articulações políticas do projeto no Congresso.

Continua após publicidade
Para os militares, certas estatais são inegociáveis, porque são consideradas estratégicas para o Brasil. Dentre elas, estão o Correios, a EBC e a Amazul, de tecnologia nuclear. Há também uma resistência de alguns políticos em relação às privatizações, que têm apaniguados espalhados em diversas empresas públicas como a Eletrobras. O presidente do Congresso, Davi Alcolumbre, faz coro com os seus colegas senadores ao dizer que é contra a capitalização da companhia elétrica.

Driblar esses obstáculos já era difícil para a equipe de Guedes. Agora, com a pandemia e o plano estatizante de Braga Netto, ficou ainda mais desafiador. No início deste mês, o ministro disse a VEJA que “teve que mudar a sua agenda” por causa do coronavírus, mas que não desistiu das suas propostas de reformas estruturantes, de longo prazo. Agora, caberá a ele convencer o presidente que não há milagre econômico.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111215 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]