“Eles vão limpar o dinheiro do precatório”, alerta deputado Osni Cardoso sobre os gastos da Prefeitura de Serrinha

Deputado estadual Osni Cardoso (PT-BA).
Deputado estadual Osni Cardoso (PT-BA).
Deputado estadual Osni Cardoso (PT-BA).
Deputado estadual Osni Cardoso (PT-BA).

Em live realizada na noite desta sexta-feira (22/04/2020), o deputado estadual Osni Cardoso alertou sobre os desmandos do prefeito de Serrinha, Adriano Lima. Um dos pontos levantados e questionados foi sobre valores que estão sendo pagos para uma empresa de Recife que teria fornecido, após licitação, materiais de robótica para o município, e lamentou a maneira que o município vem utilizando os recursos do probatório do Fundeb.

Segundo publicação no Portal do Cidadão, a Prefeitura Municipal de Serrinha, em meio à pandemia do Coronavírus, no qual todos os esforços deveriam estar voltados para o combate e prevenção desse vírus, pagou para a empresa RMG Tecnologia Eireli, um total de R$ 2.599.948,80.

Os pagamentos foram realizados em cinco prestações, divididas em três meses, sendo duas em dois dias seguidos em fevereiro, duas em março, com intervalo de treze dias, e uma em abril, com diferença dois dias para a penúltima parcela.

“Tem um kit robótica ai, que depois da pandemia, depois dele (o prefeito) mesmo ter parado as atividades da Prefeitura, pagou R$ 562.990 no dia 17 de março.  No dia 30 pagou mais R$ 87.674, no dia 01-04 pagou mais R$ 571 mil, dando um total de 2.599.948,80 para um tal de kit robótica que ninguém está usando. Tem que denunciar um negócio desse e ir ao Ministério Público para investigar isso”, alertou o deputado.

Antes, no dia 11 de fevereiro, a Prefeitura pagou R$ 700 mil, e no dia seguinte arcou com mais R$ 678.247,60 para a empresa de Recife.

“Parece que o desafio desse prefeito é gastar o dinheiro de qualquer jeito, os R$ 130 milhões do precatório”, lamentou.

O pré-candidato a prefeito de Serrinha pelo Partido dos Trabalhadores, Lucas Chicabana, lamentou o fato do prefeito municipal estar utilizando os recursos para atividades que não são essenciais no momento.
“Serrinha vive um momento de crise, não só por conta do coronavírus, mas também por causa da dengue, só que infelizmente o prefeito está optando em destinar recursos para itens que não são importantes no momento. Tem que investir em prevenção, no combate ao Covid-19. Montar barreiras sanitárias, intensificar o combate ao mosquito transmissor da dengue, contratar mais agentes de saúde, isso sim que precisa ser feito. É uma pena que ele não escute ninguém e queira resolver tudo sozinho”.

Ainda de acordo com Osni Cardoso, a gestão, ao invés de utilizar recursos para combater os focos da dengue, que está assolando no município, optou em gastar com um serviço importante, mas sem necessidade no atual momento. “Ele também contratou vigilante, segurança e gastou R$ 180 mil. Com esse valor dá para você colocar 50, 60 trabalhadores pagando um salário mínimo, por exemplo, para atuar no combate à dengue por três meses seguidos. Era para ter feito isso lá atrás para não deixar chegar nesse estado que está”.

No dia 13 de março, a Prefeitura de Serrinha, através de publicação em suas redes sociais, anunciou que um grupo de professores estaria em Recife para serem capacitados na empresa Dulino, sendo que nesse período, as aulas da rede municipal já estavam em curso, contrariando a promessa feita na qual os alunos do Ensino Fundamental e do EJA teriam aulas de robótica no início do primeiro semestre de 2020.

Por conta do estado de calamidade pública decretado pelo município, a Prefeitura pode utilizar recursos e fazer licitações sem ser fiscalizada, levantando assim uma grande dúvida na sociedade, uma vez que não é possível identificar o total desses valores, nem aonde estão sendo investidos.

“Eles vão limpar o dinheiro do precatório, que era para fazer uma revolução na educação de Serrinha, mas estão pegando cerca de R$ 110 milhões e jogando no mato, ou talvez até indo para o bolso de alguém, porque não é possível uma coisa dessa”, indagou.

Em 20 de março, a Prefeitura Municipal decretou situação de emergência por conta da pandemia, e em 08 de abril foi aprovado o estado de calamidade pública. As aulas do município foram suspensas em 19 de março.

Um fato curioso em relação à licitação é que o Edital de Concorrência Pública foi divulgado em 07 de março de 2019, e o recebimento e abertura das propostas ocorreu em 26 de abril de 2019.

Além do deputado Estadual Osni Cardoso e do pré-candidato a prefeito Lucas Chicabana, a live contou com as presenças dos vereadores Jorge Gonçalves e Rose de João Grilo.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112782 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]