Ato virtual homenageia vítimas da Ditadura Civil-Militar no Brasil

Em 4 de novembro de 2015, militantes dos movimentos sociais se reuniram ao redor do monumento que marca o local aonde foi morto Carlos Marighella, um dos líderes da resistência contra da ditadura, em São Paulo.
Em 4 de novembro de 2015, militantes dos movimentos sociais se reuniram ao redor do monumento que marca o local aonde foi morto Carlos Marighella, um dos líderes da resistência contra da ditadura, em São Paulo.
Em 4 de novembro de 2015, militantes dos movimentos sociais se reuniram ao redor do monumento que marca o local aonde foi morto Carlos Marighella, um dos líderes da resistência contra da ditadura, em São Paulo.
Em 4 de novembro de 2015, militantes dos movimentos sociais se reuniram ao redor do monumento que marca o local aonde foi morto Carlos Marighella, um dos líderes da resistência contra da ditadura, em São Paulo.

O Instituto Vladimir Herzog movimenta nesta terça-feira (31/03/2020) as redes sociais com a Vigília pela Democracia, para homenagear vítimas do período do regime militar no Brasil, que se iniciava há 56 anos, com a derrubada do então presidente João Goulart. A mobilização é organizada em parceria com o Movimento Vozes do Silêncio.

O ato tem início às 14 horas, com um tuitaço. As atividades programadas seguem até quarta-feira (01/04/2020).

Tradicionalmente, marca-se a data com a realização das Caminhadas do Silêncio e do Ato Unificado Ditadura Nunca Mais, em diversas capitais do país. Em decorrência da pandemia de covid-19, as marchas pelas ruas tiveram de ser substituídas, este ano.

Os organizadores marcaram outro tuitaço para as 21 horas. A organização do evento disponibilizou uma imagem, que pode ser baixada em download e utilizada por aqueles que quiserem aderir à causa.

Antes, no horário das 18 horas às 20 horas, também será transmitido, ao vivo, um web-seminário, na página oficial do Vozes do Silêncio e pelo perfil no Facebook, com mediação do jornalista Luis Nassif e da procuradora Eugênia Gonzaga.

Além das postagens no Twitter, as organizações prepararam a veiculação de podcasts e vídeos com depoimentos de pessoas que vivenciaram o período, que durou até 1985. Também serão exibidas entrevistas com especialistas que estudam o tema.

Em nota, o instituto afirma que o protesto é feito em memória de todas as vítimas do Estado. “Torturas, execuções sumárias, desaparecimentos forçados e tratamentos cruéis são uma face da moeda, mas não podemos esquecer das vítimas decorrentes da misoginia, da xenofobia, da perseguição contra a liberdade de expressão, da intolerância política oriunda de atos estatais; enfim, das diversas expressões do autoritarismo”, acrescenta.

Relatório final da Comissão Nacional da Verdade, apresentado em 2014, dimensionou o impacto das ações do Estado na vida dos brasileiros com uma estimativa de que as violações de direitos constatadas entre os anos de 1964 a 1985 atingiram 50 mil pessoas. Para o levantamento, foram considerados presos, exilados, torturados e familiares que perderam algum parente nas ações promovidas pelo regime.

Em outubro de 1975, o jornalista Vladimir Herzog foi encontrado morto nas instalações do Destacamento de Operações de Informação (DOI/Codi) após ser preso por militares ao se apresentar espontaneamente. No dia anterior, ele havia sido procurado na sede da TV Cultura para prestar esclarecimentos. No entanto, a empresa pediu que o profissional não fosse levado naquele dia porque precisavam manter a programação. Na época, o órgão afirmou que o jornalista cometeu suicídio, versão contestada por sua família, que apontou sinais de tortura no corpo dele.

*Com informações da Agência Brasil.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114881 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.