Ataques à China aprofundam desgaste externo do extremista Jair Bolsonaro

Ataques à China aprofundam desgaste externo do presidente Jair Bolsonaro.
Ataques à China aprofundam desgaste externo do presidente Jair Bolsonaro.
Ataques à China aprofundam desgaste externo do presidente Jair Bolsonaro.
Ataques à China aprofundam desgaste externo do presidente Jair Bolsonaro.

A postura infantil e irresponsável do atual governo no front externo está comprometendo a imagem internacional do Brasil. A cada manifestação de Bolsonaro e dos agregados ideológicos, a situação se agrava. O comportamento oficial compromete mercados para as exportações, o trânsito mundial de turistas e a simpatia dos povos, alertam especialistas.

Se Bolsonaro já vinha sendo alvo de chacotas, com a eclosão da pandemia a imagem externa se deteriorou irremediavelmente. Bolsonaro passou a ser o “líder do negacionismo”, segundo a revista norte-americana The Atlantic. A revista inglesa The Economist definiu o presidente do Brasil como um “Bolsonero”.

Nesta segunda-feira, Bolsonaro foi ridicularizado pela mídia da China, nosso maior parceiro comercial. O tabloide Huanqiu/Global Times ironizou Bolsonaro em título de matéria com destaque. “Presidente brasileiro convoca jejum para se livrar do pecado”, em meio à escalada dos números, destacou o jornal chinês.

A nova presepada ocorre exatamente com o principal aliado do Brasil e da maioria dos países do mundo no combate à epidemia. No momento, a China presta ajuda a cerca de 90 países com informações, apoio técnico e produção de equipamentos. O Ministério do Saúde brasileiro tem encomendas de equipamentos de proteção individual junto ao país.

Ignorando essa realidade, e também o fato do Brasil integrar o BRICS, no final semana, o deputado Eduardo Bolsonaro e o ministro da Educação, Abraham Weintraub, patrocinaram um destemperado ataque à China. Reproduzindo as mais rasteiras “teorias da conspiração”, acusaram o país de “fabricar o vírus para dominar o mundo”. Foi a segunda vez que o filho do presidente hostilizou o país asiático.

Em nota pública, a Embaixada da China rechaçou a acusação infundada e cobrou retratação oficial do governo brasileiro. “Instamos que alguns indivíduos do Brasil corrijam imediatamente os seus erros cometidos e parem com acusações infundadas contra a China”, disse o embaixador em post nas redes sociais. O Palácio do Planalto fez vistas grossas para a situação.

As manifestações do governo Bolsonaro também podem trazer graves consequências para a economia nacional. A China é responsável por 37% do total das nossas exportações agrícolas. Após os ataques da família Bolsonaro, a China anunciou que vai comprar soja dos Estados Unidos.

“A inciativa da China de enviar à Itália médicos, materiais e equipamentos é um exemplo de relação solidária entre nações civilizadas”, afirmou a ex-presidenta Dilma Rousseff. Em carta enviada ao presidente Xi Jin Ping, o ex-presidente Lula já havia pedido desculpas ao povo chinês em nome dos brasileiros.

“Este governo passará, sem ter estado à altura do Brasil, mas nada poderá apagar os laços de amizade e cooperação que vimos construindo desde 1974, quando o então presidente Ernesto Geisel restabeleceu as relações entre o Brasil e a República Popular da China”, afirmou Lula.

A relação diplomática e comercial com a China foi restabelecida em 1974, durante o governo Geisel, contrariando a linha dura da ditadura militar. Na época, a relação com a China foi um dos motivos alegados pelo general Sylvio Frota para justificar o confronto com o governo que resultou em sua demissão.  Na época, o general Heleno era ajudantes de ordens de Frota.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112856 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]