Argentina pressiona Brasil a verter água de Itaipu para ajudar escoamento de grãos

Vista aérea da hidrelétrica de Itaipu.

Vista aérea da hidrelétrica de Itaipu.

O governo argentino tem pressionado o Brasil a aumentar a vazão da hidrelétrica binacional de Itaipu, o que poderia ajudar a elevar o nível do rio Paraná e facilitar o escoamento da safra de grãos do país vizinho em um momento de forte seca, disseram à fontes com conhecimento do assunto.

O movimento vem após a falta de chuvas ter levado as águas do importante rio utilizado para transporte de cargas na Argentina ao menor nível em uma década, o que exige mais navios para transportar um mesmo volume de soja ou milho, por exemplo.

Mas a demanda do país vizinho, que entra agora no pico da colheita de grãos, vem em momento em que o Brasil busca guardar água nos reservatórios hidrelétricos para atravessar o chamado “período seco” na região dos lagos das usinas, que vai de maio ao final de outubro.

O pleito tem sido negociado pelo Ministério das Relações Exteriores da Argentina junto ao Itamaraty e ao Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), responsável por gerenciar o acionamento de usinas para atendimento à demanda por energia, disse uma das fontes, que falou sob a condição de anonimato.

O Paraguai também participa das conversas, uma vez que é sócio do Brasil na usina, instalada próxima à tríplice fronteira entre os países.

“Esse tema é sensível e envolve os três países… haverá nova rodada de negociações amanhã   sexta-feira (17/04/2020)”, disse a fonte.

O problema nas conversas, no entanto, é que técnicos do setor de energia brasileiro avaliam que o pleito da Argentina poderia atrapalhar a recuperação dos lagos das hidrelétricas do país após anos de precipitações insuficientes para encher os reservatórios.

“Estamos recuperando o armazenamento até o final de abril. Esse papo dos argentinos é um desejo”, disse à Reuters uma fonte do setor elétrico que também pediu anonimato.

Apesar de chuvas melhores no Brasil neste ano, o Sul do país, onde fica Itaipu, sofre com a mesma seca que assola os argentinos, o que deixa os níveis dos reservatórios na região em nível abaixo do visto ano passado e ainda não considerado confortável.

Além disso, Itaipu não tem precisado operar a plena capacidade no momento devido à forte redução da demanda por energia em função da pandemia de coronavírus.

Assim, uma eventual ajuda aos vizinhos poderia envolver a liberação de água pelo vertedouro sem geração de energia, o que é visto como desperdício entre técnicos da área de energia, disse uma terceira fonte.

“Estamos abaixo do normal… como com reservatório menor vai verter água?”, disse a fonte, acrescentando que tal manobra, tecnicamente, seria como “desperdiçar dólar pelo vertedouro”.

A falta de alinhamento entre os governos do presidente argentino Alberto Fernandez, de esquerda, e do brasileiro Jair Bolsonaro, de extrema-direita, também não deve contribuir, assim como a disputa entre os países por exportações de grãos.

Enquanto o Brasil é maior exportador global de soja e o segundo em milho, a Argentina é a maior exportadora de farelo de soja, sendo também uma das principais fornecedoras globais de milho e soja.

“Eles fariam isso para a gente?”, questionou a terceira fonte, sobre o pleito dos vizinhos.

Procurado, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil não respondeu a um pedido de comentário. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e Itaipu também não puderam comentar de imediato.

O rio Paraná é a principal via de exportação de grãos da Argentina, por onde saem embarques do porto de Rosario até o Oceano Atlântico.

O menor nível das águas tem feito com que embarcações precisem deixar o porto com menos grãos um navio Panamax, que geralmente zarpa dos portos argentinos com 50 mil a 55 mil toneladas, sofre diminuição de cerca de 7,5 mil toneladas na capacidade sob as atuais condições do rio, segundo o gerente da Câmara de Atividades Portuárias e Marítimas, Guillermo Wade.

*Por Luciano Costa e Rodrigo Viga Gaier, da Agência Reuters.

Vista panorâmica noturna da hidrelétrica de Itaipu.

Vista panorâmica noturna da hidrelétrica de Itaipu.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]