Ministro da Saúde do Governo Bolsonaro fala em eventual colapso do sistema decorrente da pandemia de Covid-19, mas diz que restrições de circulação visam evitar isso

Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde do Governo Bolsonaro.
Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde do Governo Bolsonaro.
Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde do Governo Bolsonaro.
Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde do Governo Bolsonaro.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta sexta-feira (20/03/2020) que as restrições de circulação das pessoas visa evitar um eventual colapso do sistema de saúde no Brasil em função da pandemia do novo coronavírus, como ocorreu na Itália.

Segundo Mandetta, o vírus tem um padrão de transmissão muito competente e com a sociedade “andando normal” isso leva a uma aceleração muito forte no número de casos, a “uma espiral”.

“Ainda não estamos nela, São Paulo está fazendo o início do seu redemoinho. A gente imagina que ela vai pegar velocidade, subir, nas próximas semanas, 10 dias”, disse Mandetta a um grupo de empresários nesta sexta-feira, por meio de videoconferência realizada com o presidente Jair Bolsonaro e outras autoridades.

“A gente deve entrar em abril e iniciar a subida rápida” acrescentou, repetindo que essa subida rápida deve durar além de abril, maio e junho. Segundo as projeções do ministro, em julho a curva passa a um platô e a partir de agosto esse vai começar a mostrar tendência de queda. “Aí a queda, em setembro, é uma queda profunda, tal qual foi a queda de março na China.”

O ministro ressaltou, no entanto, que o Brasil tem alguns pontos fortes.

“Nós temos um sistema de saúde presente, nós conseguimos amenizar o atendimento. Nós temos um tempo para ganhar. Nós temos aí 30 dias para que a gente resista, razoavelmente bem, com muitos casos, dependendo da dinâmica da sociedade”, disse.

Ele ressaltou, no entanto, que mesmo assim, o sistema pode entrar em colapso em pouco mais de um mês.

“Mas claramente, ao final de abril, nosso sistema entra em colapso”, disse, para explicar que “colapso é quando você pode ter o dinheiro, pode ter o plano de saúde, pode ter a ordem judicial, mas simplesmente não há sistema para você entrar”.

Segundo ele, foi é o caso atual da Itália. Daí, disse o ministro, a necessidade de se restringir a circulação das pessoas, para se evitar chegar a isso.

“Evitar esse colapso, eventualmente, pode ser necessário segurar a movimentação, para ver se consegue diminuir a transmissão”, disse.

“Quando a gente toma uma medida de segurar 14 dias, por exemplo, o impacto dessa medida só é sentido 28 dias depois. Porque a cadeia de transmissão, ela é sustentada e você quebra.”

O ministro explicou que está modulando essas restrições com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e outras autoridades, sob a coordenação do presidente.

“Para ver se trabalhamos com algumas interrupções, caminhando um pouco, parando um pouco, segurando o máximo dos idosos, que são eles que levam o colapso do sistema, protegendo ao máximo. Isolando literalmente.

*Com informações da Agência Reuters.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114963 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.