UFBA possui tecnologia que rastreia DNA do coronavírus em 3 horas

Gúbio Soares, pesquisador e virologista da UFBA.
Gúbio Soares, pesquisador e virologista da UFBA.
Gúbio Soares, pesquisador e virologista da UFBA.
Gúbio Soares, pesquisador e virologista da UFBA.

De 48 para três horas. Essa é a redução no tempo de diagnóstico do novo coronavírus, oferecido por um equipamento da Universidade Federal da Bahia (UFBA). O processo, é o mesmo que foi capaz de identificar o zika vírus há cinco anos.

Trata-se de um equipamento batizado de Real Timer e que realiza um processo chamado RT-PCR. “Esse equipamento faz uma reação que é capaz de identificar o material genético do vírus e é isso que os laboratórios utilizam para cravar o diagnóstico”, explica o pesquisador e virologista Gúbio Soares. Segundo ele, todo o processo, que confirma o diagnóstico, pode ser concluído em até três horas.

Hoje, segundo informações da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), o processo de diagnóstico precisa ser confirmado fora do estado. As análises começam no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), em Salvador, mas precisam ser finalizadas no Rio de Janeiro.

“O material de algum paciente suspeito é encaminhado para o Lacen-Ba, onde serão feitos testes para vírus respiratórios com circulação no país, como H1N1. Em casos de negativo para essas análises iniciais, o material deve ser encaminhado para o laboratório de referência para a Bahia, que é a Fiocruz, no Rio”, diz a nota da Sesab.

Questionada sobre o tempo até a obtenção de um diagnóstico final, a Sesab respondeu apenas que “ainda não há comunicado oficial quanto ao tempo para o resultado”. Segundo Gúbio Soares, o processo pode durar 48 horas.

Eficiência

Ainda segundo Soares, este processo que pode ser realizado na Ufba é a forma mais eficiente para, atualmente, cravar um diagnóstico. “Ainda não existem testes imunológicos para detectar anticorpos contra o vírus porque ele é novo”, explica o pesquisador. O equipamento, que chegou à universidade no final de 2019, é uma versão ainda mais moderna do mesmo usado na identificação do Zika, em 2015.

A previsão é que ele seja capaz de realizar a análise de 90 amostras por dia. A identificação, no entanto, ainda não foi realizada justamente pela falta de amostras circulando na Bahia. O estado só relatou dois casos suspeitos, no começo da epidemia de coronavírus, em janeiro, mas nenhum deles foi confirmado. Atualmente, nove casos suspeitos são avaliados, nenhum deles na região Nordeste.

Os casos suspeitos no estado seguiram o procedimento padrão da Sesab. Questionada, a pasta não respondeu se pretende utilizar a tecnologia disponível na Ufba.

Tratamento

A médica infectologista Clarissa Cerqueira Ramos explica que a redução no tempo de confirmação do diagnóstico não influencia no tratamento do doente, já que o Coronavírus é tratado com os mesmos parâmetros de outras doenças respiratórias e não há ainda qualquer medicamento ou vacina específicos para o novo diagnóstico.

“O diagnóstico mais rápido ajuda no lado da saúde pública. Para que as medidas de controle necessárias sejam tomadas com mais celeridade. E tem a questão dos custos de um isolamento também”, detalha a profissional.

Clarissa explica que, quando existe a suspeita, o paciente é colocado em isolamento, justamente por conta das características de contágio da doença. Este isolamento gera custos para a unidade de saúde porque necessidade de diversos materiais para ser eficiente, tais como capas, luvas, e máscaras especiais.

Quanto mais demorado for o processo de diagnóstico da doença, mais chances de se manter um paciente isolado sem a real necessidade, o que geraria custos extras no tratamento desse doente. Segundo a Organização Internacional do Trabalho, OIT, os mercados de trabalho da América Latina e do Caribe atravessam um momento de incerteza que se reflete num pequeno aumento da taxa de desemprego regional e em sinais de precariedade do emprego que podem se agravar em 2020.

A observação foi feita nesta terça-feira, em Lima, no Peru, durante a apresentação da nova edição do relatório anual da agência.

Pessoas sem abrigo no Paraguai.

Relatório

De acordo com o “Panorama do trabalho da América Latina e do Caribe 2019”, a taxa de desemprego média regional estimada para 2019 é de 8,1%, praticamente estável frente aos 8% de 2018. Esse percentual corresponde a mais de 25 milhões de pessoas que estão procurando emprego ativamente e não conseguem encontrá-lo.

O diretor regional da OIT, Juan Hunt, observou que “a situação do mercado de trabalho é complexa”.

Se a região continuar enfrentando uma situação de crescimento econômico moderado, a tendência de aumento do desemprego deve continuar atingindo 8,4% em 2020.

As últimas estimativas da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, Cepal, colocaram o crescimento médio de 2019 em 0,1% e a previsão foi de um nível baixo de crescimento para 2020, de 1,3%.

Desemprego

O aumento do desemprego foi predominante na América Latina, com um registro de aumento do indicador em nove de seus 14 países. No Caribe de língua inglesa, por outro lado, houve uma queda no desemprego de 0,7 %.

Ao mesmo tempo, o estudo destaca a relevância do Brasil e do México na média regional. O relatório aponta que, sem incluir esses dois países, a taxa média de desemprego registraria um aumento mais pronunciado de 0,5 %, no terceiro trimestre de 2019.

No Brasil, de acordo com esses dados, a taxa de desemprego em 2018 foi de 12,5%. Em 2019, esse índice caiu para 12,2%.

Mulheres

O relatório acrescenta que, apesar do aumento contínuo da participação das mulheres no mercado de trabalho, que atingiu 50,9% no terceiro trimestre do ano passado, essa taxa ainda está mais de 20 pontos percentuais abaixo da dos homens, que é de 74,3%

Além disso, o desemprego feminino aumentou 0,2 % em 2019 na média regional, passando para 10,2%, enquanto o dos homens permaneceu inalterado em 7,3%. Isso indicaria que o peso do aumento do desemprego regional afetou desproporcionalmente as mulheres.

Protestos

A OIT considera a situação dos jovens alarmante, já que, no terceiro trimestre, a taxa de desemprego regional era de 19,8% entre essa população. Isso significa que um em cada cinco jovens na força de trabalho não consegue encontrar emprego, o nível mais alto em dez anos.

Hunt lembrou que as recentes manifestações de cidadãos pedindo melhores oportunidades e maior igualdade “evidenciam a persistência de déficits no trabalho decente”. Para ele, “as oportunidades de acesso a um emprego decente e produtivo, com salário justo, inclusão social, proteção social e direitos trabalhistas, são fundamentais para responder às demandas sociais, para garantir que os benefícios do crescimento cheguem a todos e para garantir a governança.”

Economia

Em relação aos dados sobre a qualidade do emprego, o economista regional da OIT, Hugo Ñopo, explicou que “a dinâmica da desaceleração econômica observada desde meados de 2018 afetou tanto a estrutura como a qualidade dos empregos”.

Ñopo enfatizou que, desde 2018, é verificado um crescimento menor do emprego assalariado em comparação com o trabalho por conta própria, especialmente o não profissional. Ele declarou que esses são sinais de que, neste momento, existe “uma relativa precariedade dos empregos que estão sendo criados na América Latina e no Caribe”.

Demanda de emprego

O relatório também afirma que há uma tendência de aumento nos indicadores de subocupação por insuficiência de tempo de trabalho. O percentual de pessoas ocupadas que trabalham menos de 35 horas e desejam trabalhar mais aumentou em 10 dos 11 países com dados disponíveis.

Referindo-se à desaceleração econômica experimentada pela região no último ano, Ñopo alertou que “os impactos no mercado de trabalho ainda não estão totalmente refletidos”, devido à defasagem na demanda por emprego.

Para o especialista da OIT, o desafio para os países da região é “integrar os mais de 25 milhões de desempregados e dar emprego decente a um número ainda maior e diversificado de pessoas.”

 

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114995 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.