Diminuem assassinatos de jornalistas em 2019, mas UNESCO continua preocupada com impunidade

Extremista de direita, Jair Bolsonaro é exemplo de agressividade e beligerância contra jornalistas.

Extremista de direita, Jair Bolsonaro é exemplo de agressividade e beligerância contra jornalistas.

De 2010 a 2019, uma média de 90 jornalistas perderam a vida por ano totalizando 894 assassinatos de profissionais da imprensa.

Os dados são do Observatório da Unesco de Jornalistas Mortos. No ano passado, houve 56 assassinatos quase metade do ano anterior, quando 99 profissionais perderam a vida ao serem atacados.

Política local

Segundo a Unesco, a média anual de 2019 é a mais baixa em mais de uma década. A violência a profissionais de mídia e imprensa ocorre em todas as partes do globo.

A América Latina e o Caribe é a região com o maior número de mortes seguida da Ásia-Pacífico e dos países árabes.

O relatório revela que a maioria dos profissionais morreu em áreas de conflito e guerra. Eles não estão somente expostos a riscos extremos quando cobrem esses eventos, mas também são atacados quando escrevem sobre política local, corrupção e crimes, quase sempre em suas cidades natais.

Dos assassinatos ocorridos no ano passado, 61% foram em países que não estavam em conflito. A cifra equivale ao dobro de casos, registrados em 2014, e representa uma alta acentuada se comparada aos últimos anos.

Campanha

Para a Unesco, a tendência é preocupante. No ano passado, a agência da ONU lançou uma campanha #DeixeaVerdadeViva ou #KeepTruthAlive, em inglês, para marcar o Dia Internacional para Acabar com Crimes contra Jornalistas.

Um outro relatório, divulgado em 2019, sugere que os jornalistas estão sofrendo, cada vez mais, ataques verbais e físicos por causa de seu trabalho.

 O documento Ataques Intensificados, Novas Defesas mostra o aumento no número de prisões, sequestros e violência física assim como da retórica hostil a mídia e a jornalistas. Especialmente, as profissionais mulheres são alvo de assédio pela internet e violência de gênero.

O objetivo das ameaças a jornalistas é silenciar as críticas e o acesso do público à informação.

Impunidade

O relatório mostra ainda que poucos crimes são levados à justiça com punição dos autores.

As taxas de impunidade são de quase 90%. Menos de um em cada oito casos registrados pela Unesco desde 2006 foi dado como encerrado.

A diretora-geral da agência disse que a Unesco permanece “profundamente perturbada com a violência dirigida a muitos jornalistas ao redor do mundo.” Para ela, enquanto essa situação durar, o debate democrático estará minado.

A ONU tem um Plano de Ação sobre a Proteção de Jornalistas e a Questão da Impunidade. O objetivo é melhorar a segurança dos profissionais e combater a falta de punição para crimes cometidos contra eles.

*Com informações da ONU News.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]