A demonização do Servidor Público | Por Alberto Peixoto

Paulo Guedes, ministro da Economia do Governo Bolsonaro, atacou o funcionalismo público, qualificando-os como “parasitas da sociedade”.

Paulo Guedes, ministro da Economia do Governo Bolsonaro, atacou o funcionalismo público, qualificando-os como “parasitas da sociedade”.

Como se não bastasse o Governador da Bahia, Rui Costa, humilhar os Servidores Públicos baianos com uma reforma da Previdência Estadual mais do que criminosa, com perdas salariais – já se passaram 6 anos sem sequer reajuste da inflação – dificuldades para aposentar, corte de 40% no abono permanência, entre tantos outros prejuízos, surge, sabe-se lá de qual sarcófago, a múmia Guedes, classificando os Servidores Públicos como “parasitas”.

Como já foi dito por Haddad, “o que o Guedes diria sobre Bolsonaro, com 28 anos como deputado – 7 mandatos – sem produzir nada”? E seus três patéticos filhos-amebas, envolvidos em suspeita de corrupção, lavagem de dinheiro, envolvimento com milicianos? E a primeira dama que é suspeita de receber cheques das rachadinhas do Queiroz?

Não são os Servidores Públicos, concursados, que desviam dinheiro do erário para os vários “paraísos fiscais”. São os políticos mau caráter e empresários do mesmo nível. Com certeza, só servidores públicos da laia de Guedes que devem ter mandado a milícia matar Marielle Franco.

Por todo esta vasto país, aproximadamente 12 milhões de Servidores Públicos recebem salário para exercer suas funções como: educar, salvar vidas, pesquisar, proteger e arrecadar – para “sustentar” os parasitas do governo – inclusive os que compõem o sistema financeiro do Ministro Guedes, outro parasita cupincha de banqueiros, inclusive do exterior.

A atitude insana do ministro Paulo Guedes o levou a conseguir extrapolar os limites da falta do bom-senso, do desrespeito, do infortúnio com o Servidor Público. Faltou ele falar sobre os parasitas do seu ministério.

No inicio do seu mandato culpou os Servidores Públicos da roubalheira que assola o país. Pergunta-se: e a lavagem de R$ 2,3 milhões em transações imobiliárias em uma loja de chocolates atribuída à Flávio Bolsonaro, segundo o Ministério Público? (Folha de São Paulo), sem esquecer das rachadinhas do Queiroz, em que a primeira dama é suspeita de também participar.

Citou também os “privilégios” dos servidores públicos, mas se esqueceu do auxílio paletó, gravata, moradia, combustível, verbas e outras benesses (benefícios obtidos sem trabalho ou sem esforço) disponibilizadas para políticos e seus lacaios.

Com relação à aviltante reforma da previdência dos Servidores do Estado da Bahia, imposta a ferro e a fogo pelo governador Rui Costa, talvez tenha ocorrido por culpa da inércia dos Servidores que não engajaram com dentes e unhas na luta contra a PEC 159/20 e da inoperância “dos sindicatos” dos diversos segmentos do funcionalismo público estadual. Mas a luta ainda não acabou.

*Alberto Peixoto, escritor ([email protected]).

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: [email protected] Saiba mais sobre o autor visitando o endereço eletrônico http://www.albertopeixoto.com.br.