MPF manifesta-se pela manutenção de ação penal contra conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro

Páginas 1 e 2 da Representação do MPF contra José Gomes Graciosa e a esposa.

Páginas 1 e 2 da Representação do MPF contra José Gomes Graciosa e a esposa.

O Ministério Público Federal (MPF) encaminhou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) manifestação contra a suspensão da ação penal que acusa o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE/RJ), José Gomes Graciosa e sua esposa, Flávia Graciosa, pela prática do crime de lavagem de dinheiro. Investigações revelaram que um esquema criminoso instalado no TCE/RJ funcionou durante 17 anos – entre 1999 e 2016 – e consistiu na cobrança e no respectivo pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos, incluindo os integrantes da Corte de Contas. A denúncia apresentada pelo MPF em julho do ano passado aponta que os valores obtidos ilicitamente eram enviados ao exterior pelo conselheiro com a ajuda de sua esposa. Foram identificadas nove contas pertencentes a José Gomes Graciosa em um banco suíço que, juntas, receberam depósitos totalizando mais de um milhão de francos suíços. No parecer, o MPF requer a manutenção do processo.

Os réus pediram a interrupção da ação penal com base em liminar proferida em 2019 pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, que determinou a suspensão nacional de todos os processos judiciais em que dados bancários de investigados foram compartilhados por órgãos de controle sem autorização do Poder Judiciário. A PGR ressalta que o pedido perdeu o objeto uma vez que, ainda no ano passado, a liminar foi revogada, quando, em sessão de julgamento do Supremo, foi fixado o entendimento no sentido de que os órgãos de controle podem compartilhar com o MP e com as autoridades policiais informações bancárias e fiscais sigilosas, inclusive extratos e declarações de imposto de renda, sem a necessidade de prévia autorização da Justiça.

A manifestação destaca ainda que a denúncia não se baseia somente em informações de inteligência financeira disponibilizadas pelo antigo Coaf. “Há diversos outros elementos a subsidiá-la, os quais, em uma análise rigorosa, justificam o recebimento da peça acusatória”, defende o MPF, ao citar depoimentos, relatórios de cooperação jurídica internacional, e outras provas que demonstram o crime de lavagem praticado pelo casal.

A denúncia

A denúncia contra José Gomes Graciosa e sua esposa resulta do desdobramento das investigações ocorridas nas operações Descontrole e Quinto do Ouro, que apuram, entre outras práticas criminosas, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, por conselheiros, incluindo o então presidente do Tribunal e empresários, entre outros. Investigações realizadas a partir de informações fornecidas em decorrência de acordos de colaboração premiada revelaram que, em boa parte dos contratos firmados entre o governo estadual com empresas de diversos setores para a realização de obras ou prestação de serviços, havia acerto para que um percentual fosse repassado ao esquema criminoso.

No caso de José Gomes Graciosa, ao assumir a presidência do TCE/RJ em 2001, o conselheiro alterou a sistemática do esquema de solicitação e recolhimento de vantagens indevidas de fornecedores do estado do Rio de Janeiro e sua distribuição aos demais integrantes do colegiado. De acordo com investigações, os valores eram entregues no apartamento de Graciosa, sendo posteriormente ocultados por sua esposa, Flávia Lopes Segura Graciosa.

Baixe

Representação do MPF contra José Gomes Graciosa e a esposa

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]