Governos neoliberais de extrema-direita produziram grave retrocesso socioeconômico, resultando no fechamento de 17 fábricas entre 2015 e 2018, aponta estudo

Michel Temer e Jair Bolsonaro, unidos na política neoliberal que resultou no fechamento de fábricas.Michel Temer e Jair Bolsonaro, unidos na política neoliberal que resultou no fechamento de fábricas.
Michel Temer e Jair Bolsonaro, unidos na política neoliberal que resultou no fechamento de fábricas.

Michel Temer e Jair Bolsonaro, unidos na política neoliberal que resultou no fechamento de fábricas.

O golpe parlamentar, articulado após a vitória de Dilma Rousseff (PT) nas eleições de 2014, jogou a indústria brasileira na bancarrota. Segundo levantamento feito pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) para o jornal O Estado de S.Paulo, entre 2015 e 2018, ao menos 17 indústrias fecharam as portas por dia entre 2015 e 2018.

Ao todo, 25.376 unidades industriais fecharam durante o período, que levou à derrubada de Dilma Rousseff (PT) da presidência, à ascensão da política neoliberal, com Michel Temer (MDB), e à eleição de Jair Bolsonaro em 2018.

A reportagem do Estadão revela ainda que de janeiro a novembro de 2019, últimos dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física do IBGE, a produção da indústria de transformação ficou praticamente estagnada.

O estudo da CNC mostra que o País tinha 384.721 unidades industriais de transformação em 2014. Desceu a 359.345 indústrias em 2018, queda de 6,6% no total de unidades. O Rio de Janeiro teve a maior queda no período (-12,7%). Perdeu 2.535 unidades em quatro anos. Em termos absolutos, o Estado de São Paulo teve a maior perda de unidades produtoras. Foram menos 7.312 unidades, o equivalente a uma redução de 7%.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]