Comando da PM da Bahia critica oficial por conduta imprópria; Episódio ocorreu em Salvador

Coronel Anselmo Brandão, comandante geral da Polícia Militar da Bahia.Coronel Anselmo Brandão, comandante geral da Polícia Militar da Bahia.
Coronel Anselmo Brandão, comandante geral da Polícia Militar da Bahia.

Coronel Anselmo Brandão, comandante geral da Polícia Militar da Bahia.

Em nota encaminhada ao Jornal Grande Bahia nesta sexta-feira (11/01/2020), o Comando Geral da Polícia Militar da Bahia rechaçou a conduta tenente-coronel Eurico Filho Silva Costa por culpabilizar vítima de episódio em Salvador e afirmou que “Polícia Militar da Bahia tem como missão cuidar das pessoas e, para isso, realiza o policiamento ostensivo com o objetivo de prevenir o cometimento de crimes”.

Confira ‘Nota do Comando Geral da Polícia Militar da Bahia’

O Comando Geral da Polícia Militar da Bahia (PMBA) informa que as declarações do comandante da 15ª CIPM já estão sendo tratadas internamente e ressalta que, em nenhuma circunstância, uma vítima deve ser culpabilizada. A Polícia Militar da Bahia tem como missão cuidar das pessoas e, para isso, realiza o policiamento ostensivo com o objetivo de prevenir o cometimento de crimes.

A PMBA lamenta profundamente o crime cometido contra o casal de turistas e se solidariza com as vítimas, bem como reafirma o compromisso de fazer o melhor sempre para garantir a segurança de baianos e turistas.

Comandante da 15ª CIPM pede desculpas

O tenente-coronel Eurico Filho Silva Costa, comandante da 15ª Companhia Independente da Polícia Militar (Itapuã), pediu desculpas pelas declarações na tarde desta sexta-feira (10/11/2020). “Peço desculpas se fui mal interpretado pelas minhas declarações. Como policial militar, nunca defendi culpabilização de vítimas. Não seria diferente no caso absurdo envolvendo turistas em Salvador. Meu respeito e total solidariedade às vítimas de uma cruel violência contra as mulheres. Continuarei na trincheira em nome da segurança da sociedade e sendo intolerante contra qualquer tipo de violência”, falou o comandante.

Entendo o caso

Para oficial Eurico Filho Silva Costa, comandante da 15ª Companhia Independente da Polícia Militar (Itapuã), a turista piauiense estuprada na noite desta terça-feira (07/01/2020), em uma praia de Itapuã, em Salvador, contribuiu para a ocorrência do crime.

“Foi um comportamento de risco. O que uma pessoa vai fazer numa praia deserta das 19h às 23h, quando ocorreu estupro? Vai fazer o quê?  Ela assumiu o risco”, declarou Eurico Costa ao site Correio, na manhã desta sexta-feira (10).

Ainda em entrevista, Eurico Costa afirmou que a Polícia Militar não pode ser responsabilizada pelo que aconteceu com o casal. “Trabalhamos constante na região, mas não temos efetivo para garantir a segurança somente daquelas pessoas que estavam naquele horário, num local onde não havia ninguém”, opinou o coronel.

Segundo o policial militar, o comportamento do casal foi de risco e, portanto, eles devem assumir as consequências.

“O casal teve um tipo de comportamento que não podemos nos responsabilizar. Se um carro trafega a 200 km/h, o motorista assume as consequências, o risco de bater, capotar. Foi a mesma coisa que aconteceu”.

O crime

A turista e o namorado foram surpreendidos por dois criminosos quando caminhavam na praia de Itapuã, em Salvador. Eles foram abordados e ameaçados por dois criminosos. “Eu só pensava que ia matar a gente. Ele disse que estava doido para matar gente”, disse o homem em entrevista à TV Bahia. As identidades das vítimas foram preservadas.

O rapaz relatou ainda que estava andando com a namorada, quando os dois resolveram sentar numa pedra. Nesse momento, foram abordados.

“A praia estava cheia, mas começou a esvaziar. Depois, dois homens chegaram por trás dizendo: ‘É assalto, é assalto! Você é polícia, passa tudo’. Ele perguntou onde estava minha carteira e eu disse que estava no hotel. Então, ele mandou que eu fosse no hotel pegar o dinheiro e disse que se eu não voltasse, ele mataria a minha namorada. Quando eu saí, ao invés de ir para o hotel, fui para delegacia”, contou o homem, que já tinha visitado Salvador anteriormente.

A moça que pela primeira vez passeava por Salvador, está traumatizada e nunc amais pretende voltar. Ela contou que ainda tentou alertar que estava em período menstrual para evitar o estupro, sem sucesso.

“Ele me levou para trás de uma pedra e me estuprou. Depois, quando viu as luzes da viatura da polícia, ele me puxou pelo braço e disse que era pra eu fingir que éramos um casal e começou a correr. Eu não pude correr porque comecei a ficar com falta de ar, tenho asma. Ele pegou na minha mão e disse que se eu tentasse alguma coisa que iria me matar. Então, ele foi andando, parou em um condomínio e pediu água para mim na portaria”, completou.
A jovem só conseguiu fugir após o criminoso deixá-la sozinha em uma rua, com a promessa que retornaria em meia hora para buscar o dinheiro que o namorado dela teria ido buscar. “Aproveitei e fugi. Fui me escondendo atrás dos carros, suspeitava que ele estava me vigiando”, disse.

A jovem chegou a retornar ao condomínio onde o bandido pediu água para ela e pediu ajuda ao porteiro, que disse que nada poderia fazer. Depois, caminhou até um hotel, onde uma recepcionista chamou um táxi. “Eu voltei pro meu hotel, encontrei meu namorado e então fomos para delegacia para registrar o caso”, relatou.

Após o crime, a mulher foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itapuã, onde também cuidou de ferimentos nos joelhos, e depois foi levada para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) para fazer exame de corpo de delito.

O casal prestou queixa em três delegacias: a de Itapuã, a do Turista, que fica no Centro Histórico de Salvador, e na Central de Flagrantes, na região do Iguatemi.

Prisão

O autor do estupro se apresentou na 12ª Delegacia (Itapuã) na sexta-feira (10) e foi levado para a Delegacia de Proteção ao Turista (Deltur), onde está preso. Já o comparsa dele está internado no Hospital Geral do Estado (HGE), após ter sido espancado por populares durante um assalto no bairro de Sussuarana.

O suspeito de estupro foi levado para a Delegacia de Proteção ao Turista (Deltur), onde prestará depoimento à delegada Marita Souza. Já o segundo segue sendo procurado pela Polícia Civil, responsável pela investigação do caso.

*Com informações dos Correios e da Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP Bahia).

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).