Mensagem conjunta do Papa Francisco e do secretário-geral da ONU pede fim da indiferença

Unidos, o António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas (ONU) e o Papa Francisco gravaram mensagem às vésperas do Natal de 2019 para agradecer por todo o bem que existe no mundo e a dizer “não” à indiferença.
Unidos, o António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas (ONU) e o Papa Francisco gravaram mensagem às vésperas do Natal de 2019 para agradecer por todo o bem que existe no mundo e a dizer “não” à indiferença.

Reconheçamo-nos membros de uma única humanidade: foi o que reiteraram o Papa Francisco e o secretário-geral da ONU, António Guterres, que foi recebido em audiência esta sexta-feira (20/12/2019), no Vaticano.

Juntos, os dois líderes gravaram uma mensagem às vésperas do Natal para agradecer por todo o bem que existe no mundo e a dizer “não” à indiferença.

“Vamos dar graças por todo o bem que existe no mundo, por tantas pessoas que se empenham gratuitamente, por quem vive a própria vida no serviço, por quem não se rende e constrói uma sociedade mais humana e mais justa. Nós o sabemos: não podemos nos salvar sozinhos.”
Não se pode virar as costas
O Pontífice e o secretário-geral da ONU mencionaram os dramas atuais: guerras, violências, miséria, injustiças, desigualdades, o escândalo da fome, a pobreza, crianças que morrem por falta de água, abusadas, migrações forçadas e desrespeito à vida, desde o ventre até a terceira idade.

A todas as situações, Francisco e Guterres afirmam com veemência que não se pode olhar para o outro lado:

“Não podemos, não devemos nos girar do outro lado quando os fiéis de várias religiões são perseguidos em várias partes do mundo.”

Aliás, “clama vingança diante de Deus” o uso da religião para incitar ao ódio, à violência, à opressão, ao extremismo e ao fanatismo, assim como clama vingança a Deus a corrida armamentista e o rearmamento nuclear.

“E é imoral não somente o uso, mas também a posse de armas nucleares.”
Cuidado com a Casa Comum
Mas a mensagem fala também de esperança e confiança no diálogo em todos os níveis – entre as pessoas e nações –e no multilateralismo para construir um mundo pacífico.

Eis então o apelo para nos reconhecer como membros da única família humana e para cuidar da nossa casa comum:

“O compromisso para reduzir as emissões poluentes e por uma ecologia integral é urgente e necessário: façamos algo antes que seja demasiado tarde!”
Neste desafio, os dois líderes falam da importância dos jovens, pois ajudam a conscientização sobre “o que está acontecendo hoje no mundo e nos pedem que sejamos semeadores de paz e construtores, juntos e não sozinhos, de uma civilização mais humana e mais justa”.

“O Natal, na sua genuína simplicidade, nos recorda que o que realmente conta na vida é o amor”, concluem o Papa Francisco e António Guterres.

Confira vídeo

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9011 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).