Combate às desigualdades é resposta para protestos globais, diz novo relatório de Índice de Desenvolvimento Humano

Favela do Rio de Janeiro. Brasil é um país de renda média que apresenta acentuada desigualdade social, combinada com elevada concentração de renda.Favela do Rio de Janeiro. Brasil é um país de renda média que apresenta acentuada desigualdade social, combinada com elevada concentração de renda.
Favela do Rio de Janeiro. Brasil é um país de renda média que apresenta acentuada desigualdade social, combinada com elevada concentração de renda.

Favela do Rio de Janeiro. Brasil é um país de renda média que apresenta acentuada desigualdade social, combinada com elevada concentração de renda.

As manifestações que acontecem em todo o mundo mostram que, apesar do progresso sem precedentes contra pobreza, fome e doenças, muitas sociedades continuam tendo problemas. A causa comum entre todos elas são as desigualdades.

Essa é a principal conclusão do Relatório de Desenvolvimento Humano de 2019, lançado esta segunda-feira (09/12/2019) na Colômbia. A pesquisa destaca uma nova geração de desigualdades, em torno da educação, tecnologia e mudanças climáticas, e alerta que podem criar “uma grande divergência” como não acontece desde a Revolução Industrial.

Debate

Em entrevista à ONU News, o diretor do escritório que produz o relatório, Pedro Conceição, disse que a pesquisa “vai além da desigualdade na distribuição de rendimento e tenta projetar aquilo que pode determinar a evolução das desigualdades ao longo do século.”

“O tema das desigualdades está no debate público em muitos países, mas tem sido centrado na distribuição do rendimento. Aquilo que nos pareceu foi que havia outras desigualdades que mereciam a nossa atenção, refletindo aquilo que os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável já nos dizem, que existem varias desigualdades que são importantes.”

O especialista diz que o relatório não faz propostas especificas para diferentes países, devido à diversidade de contextos, mas “oferece uma metodologia para tentar perceber quais as melhores áreas de intervenção.”

“A ideia essencial é que não nos podemos circunscrever a aspetos que têm a ver com a redistribuição de rendimento para lidar com as desigualdades que estão a surgir. É preciso considerar um vasto leque de políticas. Políticas ligadas à concorrência, por exemplo, para garantir que os mercados funcionam de forma mais eficiente e podem levar a que os resultados sejam menos desiguais.”

Sobre a área da concorrência, Conceição explica que “é uma área de política que normalmente não é considerada nestas discussões, mas o argumento é que é preciso estender o leque de políticas para lidar com estes problemas.”

Motivações

Em nota, o administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, disse que “diferentes motivos estão levando as pessoas às ruas, como o custo de uma passagem de trem, o preço da gasolina, a exigência de liberdades políticas e a procura de justiça.” Para Achim Steiner, “esta é a nova face da desigualdade.”

Em países com desenvolvimento humano muito alto, por exemplo, as assinaturas de internet de banda larga estão crescendo 15 vezes mais rápido do que em países com baixo desenvolvimento humano. Quanto à proporção de adultos com ensino superior, está crescendo seis vezes mais rápido.

A distribuição desigual de educação, saúde e padrões de vida está impedindo o progresso dos países. A pesquisa estima que, em 2018, cerca de 20% do progresso do desenvolvimento humano foi perdido devido às desigualdades.

Políticas que considerem infância e investimento ao longo da vida, produtividade, investimento público e impostos justos são recomendadas.

Dados

O relatório diz que valores médios “podem ser úteis para contar uma história, mas informações muito mais detalhadas são necessárias para criar políticas que combatem a desigualdade de maneira eficaz.”

Um dos exemplos é a igualdade de gênero. Com base nas tendências atuais, serão necessários 202 anos para eliminar a diferença entre homens em oportunidades econômicas. Apesar de o tema estar sendo mais discutido nos últimos anos, o Índice afirma que o ritmo de progresso está diminuindo.

Pela primeira vez, o relatório inclui um Índice de Normas Sociais. Em metade dos países avaliados, o preconceito de gênero cresceu nos últimos anos. Cerca de 50% das pessoas em 77 países pensam que os homens são melhores líderes políticos do que as mulheres. Mais de 40% considera que os homens são melhores na área dos negócios.

O relatório cita esses dados para afirmar que “políticas que abordam preconceitos, normas sociais e estruturas de poder são fundamentais.”

Políticas para equilibrar a distribuição de cuidados, principalmente para crianças, são um dos exemplos. Grande parte da diferença de rendimento entre homens e mulheres é criada antes dos 40 anos, quando as mulheres estão a criar os filhos pequenos.

Futuro

O relatório também pergunta como a desigualdade pode mudar no futuro, destacando a crise climática e a transformação tecnológica.

Sobre a primeira, alerta que medidas como a criação de mercado de carbono podem ser mal administradas e aumentar as desigualdades. Por outro lado, se as receitas do preço do carbono forem usadas para beneficiar os contribuintes com um conjunto de políticas sociais, podem reduzir o problema.

Sobre a transformação tecnológica, a pesquisa diz que pode ser uma solução “se oportunidades forem rapidamente e compartilhadas amplamente.” Avisa, no entanto, que “existe um precedente histórico para as revoluções tecnológicas criarem desigualdades profundas e persistentes.”

Uma nova “grande divergência”, no entanto, ainda pode ser evitada. O relatório recomenda políticas de proteção social que, por exemplo, garantam uma compensação justa por trabalho em grupo e investimento em formação ao longo da vida para permitir a adaptação dos trabalhadores.

Em conclusão, Achim Steiner afirma que “identificar o verdadeiro rosto da desigualdade é um primeiro passo.” Segundo ele, “o que acontece a seguir é uma escolha de cada líder.”

*Com informações da ONU News.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]