Carne, feijão, luz e gás. Tudo aumenta sob o comando do presidente Jair Bolsonaro, menos o salário

Presidente Jair Bolsonaro é prodigo em reduzir poder de compra da classe trabalhadora e ampliar a desigualdade social.

Presidente Jair Bolsonaro é prodigo em reduzir poder de compra da classe trabalhadora e ampliar a desigualdade social. Efeitos do nocivo projeto antipovo colocado em prática por pelo extremista de direita têm afetado negativamente a qualidade de vida da população.

Em que pese o momento trágico vivido pela imensa maioria da população diante dos retrocessos impostos a toque de caixa pelo desgoverno de Jair Bolsonaro (PSL), o brasileiro sempre encontra um jeito de amenizar o sofrimento – geralmente com humor. “O povo vai se tornar vegetariano na marra”, publicou um internauta tão logo o aumento histórico no preço da carne chegou às prateleiras dos mercados de todo o país.

A “brincadeira”, no entanto, acabou por ilustrar com precisão a face mais nefasta dessa trágica gestão antipovo: a população está, de fato, abrindo mão da proteína animal durante as refeições.  No caso da carne bovina, a situação saiu do controle e o bom e velho bife no prato de cada dia tem se tornado um sonho cada vez mais distante para a imensa maioria – não custa lembrar que mais da metade dos brasileiros vive com cerca de R$ 400.

Mas nem tudo neste desgoverno aumenta de valor. O salário mínimo, por exemplo, só tem diminuído. Logo no primeiro dia de seu mandato, o radical autoritário assinou decreto em que reduz o aumento previsto para o salário mínimo de R$ 1.006 para R$ 998 – em 2018, o vencimento base do trabalhador estava em  R$ 954.  Agora, também já anunciou que a projeção do SM para o ano que vem terá quase R$ 10 a menos.

Prestes a completar um ano à frente da nação, é quase impossível encontrar um único motivo sequer para comemorar. E o custo abusivo no preço da carne nesta reta final de 2019 tornou-se mais um símbolo de um governo que desde janeiro tem acumulado um desastre atrás do outro. A maioria, claro, com efeitos catastróficos na vida dos que mais precisam.

Abaixo, relembramos alguns dos retrocessos que só confirmam o que muitos já sabiam: Jair Bolsonaro governa para a elite e tem repulsa ao povo brasileiro.

Carne vira artigo de luxo

O preço da carne bovina disparou nas últimas semanas. De acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), em menos de três meses, alguns cortes registraram alta acima de 50%, como o contrafilé. Para o coxão mole, a alta foi de 46% no custo do produto, que, consequentemente, foi repassado ao consumidor final.

A justificativa para o aumento é a alta na arroba do boi gordo, influência do mercado externo entre outros fatores. Isso, como se sabe, não elimina a responsabilidade do governo. Com rabo preso à bancada ruralista, Bolsonaro já avisou que não vai interferir no aumento do preço e jogou a solução para o futuro. “Acho que daqui alguns meses vai baixar”, limitou-se a dizer.

Mas a própria ministra da Agricultura, Tereza Cristina,  já havia deixado claro que o preço jamais voltará ao preço anterior e ainda justificou: “Estava muito barata antes”.  Enquanto isso,  o povo tenta dar um jeito para manter a carne no cardápio diário que, é bom que se diga, está cada vez mais precário.

Sai gás de cozinha, entra lenha

Já não é segredo para ninguém que as promessas feitas por Bolsonaro durante a campanha não passaram de fake news. Mas uma delas ainda está difícil de engolir: o aumento do gás de cozinha. Antes de assumir o cargo, Jair disse que o brasileiro pagaria apenas R$ 30 no botijão no seu mandato. Dez meses depois do início do desgoverno, o preço médio do botijão já é R$ 65, mas com variações que podem  R$ 115. .

Não contente com o crescimento sistemático no preço desde janeiro, no final de outubro,  o governo Bolsonaro autorizou novo aumento de 5% no gás nas distribuidoras e confirmou o seu total desprezo pelos mais pobres.

Mas Bolsonaro não está sozinho nessa. A escalada no custo do gás de cozinha vem desde o golpe de 2016 e já gerou graves consequências: de acordo com levantamento divulgado pelo IBGE, um quinto das famílias brasileiras já passou a usar lenha ou carvão para cozinhar. São ao menos 14 milhões de lares voltando ao século 19.

Diesel tem 11 aumentos no primeiro ano do Desgoverno Bolsonaro

Dezembro mal começou e o trabalhador brasileiro já foi tomado por incontáveis notícias ruins. Uma delas veio por meio da Petrobras, que  informou nesta terça-feira (3) o aumento no valor do óleo diesel em 2%. A alta é a 11ª consecutiva consentida pelo governo Jair Bolsonaro desde setembro e o valor do combustível nas bombas já ultrapassa o preço de maio de 2018, quando foi desencadeada a greve dos caminhoneiros.

De acordo com dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o litro do diesel era comercializado na semana passada por, em média, R$ 3,708. m maio do ano passado, quando caminhoneiros pararam o país solicitando a redução dos preços do combustível, o preço do diesel era de R$ 3,59.

Gasolina não fica atrás

A Petrobras elevou o preço da gasolina nas refinarias em cerca de 4% no final de novembro. O reajuste é a segunda alta do combustível em pouco mais de uma semana. Com a decisão, a gasolina atingiu cerca de 1,92 real por litro, maior valor desde o fim de maio (R$ 1,95).

Adotada em julho de 2017 pelo governo do ilegítimo  Michel Temer, a política de preços da Petrobras de reajustar os combustíveis de acordo com a variação cambial e da oscilação do barril de petróleo no mercado internacional continua com Bolsonaro e tem pesado cada vez mais no orçamento da classe trabalhadora e de toda a sociedade brasileira.

De julho de 2017 até hoje, a gasolina aumentou 56,97% nas refinarias da Petrobras enquanto a inflação do período acumulou 7,14%, segundo dados da subseção do Dieese da Federação Única dos Petroleiros (FUP).

Arroz sem feijão

Quando Heloísa Bolsonaro reclamou que passa perrengue mesmo que, levando-se em conta apenas o salário do marido Eduardo, certamente não estava se referindo ao fato de não poder comprar feijão, cujo aumento chegou a bater 59% nos primeiros meses do ano. Ainda com preços astronômicos, o produto já não é mais considerado indispensável na refeição diária da população.
E o aumento não para. No final de novembro, por exemplo, os preços voltaram a subir. Em São Paulo, estado mais populoso do país, o valor do quilo do feijão saltou de R$ 4 para R$ 5,49 e R$ 7,99, segundo o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe).
Luz mais cara em 2020
Além da falta de perspectiva de melhorar de vida em 2020, a previsão é de que muita coisa ainda irá piorar caso não haja uma forte reação popular contra os retrocessos bolsonaristas.  O povo, aliás, já pode se preparar porque as contas de luz dos consumidores de todo o país poderão ter um aumento médio de 2,42% no ano que vem.

Manifestação contra privatização da Eletrobras

Parece pouco, mas a taxa de energia elétrica pode atingir níveis inimagináveis caso o projeto entreguista do governo saia do papel. A previsão de especialistas é de que, se a privatização da Eletrobras se confirmar, o consumidor terá de desembolsar até 20% a mais na conta. Isso já aconteceu em diversos estados. Em Rondônia, por exemplo,  a população está pagando 25% a mais de energia desde agosto, quando as Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron) foram concedidas à iniciativa privada.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]