Quando a demagogia se transforma em pseudodemocracia na UESB | Por Reginaldo de Souza Silva

Fachada da sede da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, em Vitória da Conquista.
Fachada da sede da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, em Vitória da Conquista.
Fachada da sede da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, em Vitória da Conquista.
Fachada da sede da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, em Vitória da Conquista.

As universidades existem bem antes do conceito e da própria noção de Estado. No Brasil, a Constituição Federal de 1988 em ser art. 227, garante: “As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão”. Para atingir plenamente seus objetivos o art. 206 destaca: o pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas; a gratuidade do ensino público nos estabelecimentos oficiais; a gestão democrática do ensino público, na forma da lei e, a garantia do padrão de qualidade.

O Estado da Bahia há décadas vem enfrentando ataques maciços dos governantes contra as universidades públicas. Outrora se culpava a chamada direita hoje o inimigo é o Partido dos Trabalhadores que viola os princípios constitucionais de autonomia, rasga legislações como o Estatuto do Magistério que garante o funcionamento democrático e a busca da qualidade, desprezando e desvalorizando os profissionais da educação.

O exercício da autonomia universitária não se faz na forma da lei, pois nenhuma lei que alcance as universidades poderá ter como objetivo e finalidade conceder ou restringir sua autonomia definida e regulamentada na CF/88.

As universidades brasileiras têm enfrentado ataques de todas as formas e vieses. Na Bahia não é diferente. O Governo do PT frustra o orçamento, não cumpre e/ou altera casuisticamente as legislações, viola a autonomia universitária em relação ao quadro de pessoal, a infraestrutura e, a aplicação de seus recursos financeiros.

O mais grave é fazer denuncias e combater o governo federal com todas as suas mazelas e repeti-las em nível estadual utilizando as mesmas “armas”, a demagogia, a mentira, a troca de favores, a cooptação, as informações falsas e ou enviesadas, o sucateamento da educação básica e superior.

Docentes da educação superior foram às ruas lutar por uma educação de qualidade em todos os níveis, garantir a existência de uma universidade estadual publica, de qualidade e socialmente referenciada. A privatização da educação publica, a tentativa de transforma-la em moeda de troca, deputados ex-docentes universitários cegos e/ou coniventes com estas praticas, assistem professore(a)s serem espancado(a)s por policiais do governador, legitimam a violação do estatuto do magistério, do corte de orçamento, da não contratação de professores e funcionários etc.

O mais grave é constatar que a demagogia se transforma em pseudo-democracia na UESB. Com o discurso da imagem em relação à sociedade, a prática de cooptação interna de votos é instituída nos moldes do governo do estado, docentes contra docentes e uma administração e órgãos representativos “cegos” que repetem e legitimam o discurso, a desvalorização e a pratica do governo do PT ou serão eles mais um braço do governo?

O direito a um salário digno não existe mais, a um ensino de qualidade lutamos a duras penas, e não pode ser apenas para adequar a legislação – Qual professor(a) e profissionais de outras áreas queremos formar?

O sucateamento está em todos os lados e a gestão da UESB reforça e aceita as práticas do governo do estado! Agora pergunto: A administração da UESB sabia dos prejuízos aos docentes ao induzir parte de seus correligionários a votar em sua proposta? Perdemos nosso recesso natalino e ano novo – direito do(a)s professore(a)s! Férias em Janeiro! Temos famílias e muitos aluno(a)s que dependem de transporte de prefeituras que não funcionam em janeiro! E outros prejuízos financeiros que podem tornar-se moeda de troca junto ao governador da Bahia.

*Prof. Dr. Reginaldo de Souza Silva – Coordenador do Núcleo de Estudos da Criança e do Adolescente, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – NECA/UESB.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 115147 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.