Número de mortos por protestos recentes sobe para 86, diz primeiro-ministro da Etiópia

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Jovens cantam slogans durante protesto em frente à casa de Jawar Mohammed, ativista do Oromo e líder do protesto em Addis Abeba, na Etiópia.
Jovens cantam slogans durante protesto em frente à casa de Jawar Mohammed, ativista do Oromo e líder do protesto em Addis Abeba, na Etiópia.
Jovens cantam slogans durante protesto em frente à casa de Jawar Mohammed, ativista do Oromo e líder do protesto em Addis Abeba, na Etiópia.
Jovens cantam slogans durante protesto em frente à casa de Jawar Mohammed, ativista do Oromo e líder do protesto em Addis Abeba, na Etiópia.

O primeiro-ministro da Etiópia e recém-vencedor do Prêmio Nobel da Paz, Abiy Ahmed, disse no domingo (03/11/2019) que o número de mortos por protestos no mês passado aumentou para 86 e instou os cidadãos a resistir às forças que ameaçam impedir o progresso do país.

“Temos que parar as forças que estão tentando nos puxar dois passos para trás enquanto avançamos”, disse Abiy, em entrevista coletiva com organizações de notícias locais transmitidas pela Fana Broadcasting, afiliada ao estado.

Os apoiadores do ativista Jawar Mohammed foram às ruas nos dias 23 e 24 de outubro para protestar depois que ele disse que a polícia cercou sua casa na capital Adis Abeba e tentou retirar seus informações de detalhes sobre a segurança do governo.

O último número de mortos, que o governo havia estabelecido na semana passada aos 78, incluía 82 homens e quatro mulheres, disse Abiy. A maioria era dos grupos étnicos Oromo e Amhara e as vítimas incluíam muçulmanos e cristãos, disse ele.

No mês passado, houve também protestos em várias cidades de Oromiya, a província mais populosa da Etiópia, destacando o espectro da violência étnica que, segundo as Nações Unidas, já deixou mais de 2 milhões de pessoas deslocadas internamente.

“Peço que ore por todas as vítimas de violência naquela terra”, disse o Papa Francisco, durante seu discurso semanal de domingo no Vaticano.

Antes das eleições de 2020, Abiy deve seguir uma linha delicada entre o aumento das liberdades políticas e o reinado de homens fortes que constroem bases de poder étnicas, exigindo mais acesso à terra, poder e recursos para seus grupos.

Desde sua nomeação em 2018, ele iniciou reformas políticas que lhe renderam elogios internacionais, mas também abriram mão das tensões reprimidas há muito tempo entre os muitos grupos étnicos no segundo país mais populoso da África, com uma população de mais de 100 milhões de habitantes.

Abiy ganhou o prêmio Nobel da paz no mês passado por seus esforços de paz que encerraram duas décadas de hostilidade com a antiga Eritreia.

*Com informações de Giulia Paravicini e de Phil Pullella, da Agência Reuters.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123279 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.