Igreja Católica e Sindicato da Agricultura Familiar de Araci celebraram o Dia Mundial dos Pobres | Por Gilma Reis

Comunidade de Tapuio, Araci - BahiaComunidade de Tapuio, Araci - Bahia

Segunda-feira, 18.11.2019, o Sindicato da Agricultura Familiar de Araci -Bahia, juntamente com o movimento das mães que oram pelos filhos da Igreja Católica, realizaram o Dia dos Pobres, na Comunidade de Tapuio.

O Dia Mundial dos Pobres foi instituído pelo papa Francisco no ano da misericórdia. O objetivo de o papa ter criado uma data específica para viver e refletir sobre os diversos tipos de pobreza é para chamar atenção dos católicos e não católicos sobre como estamos olhando as pessoas mais injustiçadas e excluídas na sociedade e no mundo. Afirmando que a preferência de Jesus Cristo sempre foi e será pelos pobres e marginalizados deste mundo.

Comunidade de Tapuio, Araci - Bahia

Comunidade de Tapuio, Araci – Bahia

O Papa Francisco ainda condena toda forma de enriquecimento e superfaturamento que explora os recursos da natureza e da pessoa humana através do trabalho escravo. Santo Agostinho, por exemplo, nos diz que a esperança tem duas faces: a indignação e a coragem.

Nesse sentido, o evento foi vivenciado  com diversas atividades: palestras com a psicóloga Gilma Reis que abordou sobre o “sentido da vida”, com o intuito de  prevenir a  comunidade sobre os transtornos de ansiedade, depressão e episódios suicidas. Já a assistente social Ezilda Barreto fez a oficina sobre “as relações intrafamiliares” com o objetivo de combater e também prevenir a violência dentro da família. Essas abordagens visam a construção de um ambiente de paz social.

O representante da FERTAF Bahia, Rosival Leite, falou sobre a importância da “alimentação saudável” que geralmente são alimentos produzidos pelos pequenos  agricultores.  O encontro ainda contou com a presença do professor e mestre Jean Márcio, que tocou com o grupo de samba de roda da comunidade. Também se fizeram presente Bidinha (presidente do SINTRAF de Araci), Pavão (presidente da Delegacia Sindical), Lídia (Movimento de Mulheres), Célia (coordenadora do Movimento das Mães) e Reinaldo (líder religioso da comunidade).

E assim aconteceu o encontro, marcado por diversas  atividades:  músicas que falam da vida cotidiana do povo,  apresentação dos Jovens, oração, samba de roda  e distribuição de roupas, sapatos e alimentação.

Durante a tarde, o encontro do grupo das mães que oram pelos filhos iniciou-se com o terço da misericórdia e o terço das mães, orando e rezando sobre os principais problemas enfrentados pelas famílias e pela comunidade: violência social, violência intrafamiliar, desemprego, alcoolismo, presença das drogas, separação entre os casais, sexo sem compromisso, solidão e doença dos idosos, desesperança entre os jovens, entre outros. Foi uma tarde de reflexão sobre as situações que envolvem o sentido do que é ser pobre neste século, uma provocação reflexiva da Igreja.

Ao apresentar o grupo para a comunidade, a coordenadora paroquial Ludmila Nobre (assistente social e estudante de direito), falou como surgiu o Movimento Mães que oram pelos os filhos no Brasil e como chegou na Paróquia de Araci.

Depois de muita música e oração, houve o encerramento com o culto, refletindo como o evangelho aborda os diversos tipos de pobreza existente hoje na sociedade: a pobreza material, a ideológica, a espiritual, entre outras. Porque Jesus Cristo convida a ser cristão autêntico e viver em compromisso com a sua palavra e com os irmãos, porque muitas vezes as pessoas são apenas frequentadores de igreja, sem assumir nenhum compromisso com o evangelho que transforma as pessoas a partir de uma mentalidade nova e de compromisso com o próximo. Sobretudo porque a proposta do capitalismo é a cultura do individualismo e do egoísmo, atrelado ao consumismo exagerado.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]