Economista versa sobre finanças do Shopping Popular na Câmara Municipal de Feira de Santana

Antônio Rosevaldo: esse shopping trará benefícios para quem? Dos 1800 cadastrados são 27 vendedores de caldo de cana, eles vão poder pagar R$600 a R$800 reais? Eles conseguirão manter-se no shopping pagando aluguel, taxa de condomínio e taxa de publicidade.
Antônio Rosevaldo: esse shopping trará benefícios para quem? Dos 1800 cadastrados são 27 vendedores de caldo de cana, eles vão poder pagar R$600 a R$800 reais? Eles conseguirão manter-se no shopping pagando aluguel, taxa de condomínio e taxa de publicidade.
Antônio Rosevaldo: esse shopping trará benefícios para quem? Dos 1800 cadastrados são 27 vendedores de caldo de cana, eles vão poder pagar R$600 a R$800 reais? Eles conseguirão manter-se no shopping pagando aluguel, taxa de condomínio e taxa de publicidade.
Antônio Rosevaldo: esse shopping trará benefícios para quem? Dos 1800 cadastrados são 27 vendedores de caldo de cana, eles vão poder pagar R$600 a R$800 reais? Eles conseguirão manter-se no shopping pagando aluguel, taxa de condomínio e taxa de publicidade.

“O que alguns chamam de Shopping Popular, eu chamaria de shopping bom de pular fora”, afirmou o professor do curso de Economia da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) Antônio Rosevaldo Ferreira, enquanto usava a tribuna livre na Câmara Municipal, nesta quarta-feira (20/11/2019), em sua fala, ele tratou sobre o empreendimento Cidade das Compras, mais conhecido como Shopping Popular.

Portando cópias do projeto e do contrato do empreendimento, Rosevaldo pontuou detalhes que, segundo ele, acarretarão em graves problemas para os vendedores ambulantes de Feira de Santana.

“Esse shopping trará benefícios para quem? Dos 1800 cadastrados são 27 vendedores de caldo de cana, eles vão poder pagar R$600 a R$800 reais? Eles conseguirão manter-se no shopping pagando aluguel, taxa de condomínio e taxa de publicidade. Vocês acham que esses 186 vendedores de lanche cadastrados terão condições de pagar essas tarifas? ”, questionou.

Segundo ele, a Prefeitura irá receber bem menos do que deveria.  “Durante 29 anos de funcionamento o empreendimento terá uma receita de R$ 458 milhões, o lucro operacional mensal será de R$ 656.321,84. O Município está cedendo espaço público para uma empresa privada cometer exploração. O investimento total foi de R$ 92,2 milhões, a Prefeitura entrou com R$ 13 milhões, porém em 10 anos esse capital retornará aos cofres da concessionária”, frisou.

Tourinho repercute números apresentados pelo economista Rosevaldo Ferreira

Durante pronunciamento na sessão ordinária desta quarta-feira (20/11/2019), o vereador Roberto Tourinho (PV) leu os números apresentados pelo professor de Economia da Universidade Estadual de Feira de Santana, Antônio Rosevaldo Ferreira, que fez uso da tribuna livre da Casa da Cidadania para falar sobre o Centro Comercial Popular.

“O professor Rosevaldo, da Universidade Estadual de Feira de Santana, fez um levantamento e trouxe os números. A estimativa de receita deste shopping em 30 anos será de R$ 458,4 milhões. O custo foi de R$ 92, 2 milhões e a Prefeitura deu R$ 13 milhões. Ou seja, em 10 anos a empresa retirará o que aplicou e vai passar 20 anos ganhando dinheiro com este Shopping Popular. Isto significa que, por ano, vai arrecadar R$ 15 milhões” detalhou.

“Isto é uma piada! E os malandros metendo a mão no bolso do povo de Feira de Santana e dos vendedores ambulantes. Luiz da Feira, esqueça o que Zé Ronaldo disse sobre o Shopping Popular ser para os vendedores. Pois tudo que foi feito, foi feito por Zé Ronaldo. Os números estão aqui”, finalizou

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114910 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.