Bolivianos fazem fila por frango e combustível, e protestos bloqueiam estradas; CIDH registra 23 mortos e 122 feridos em protestos

Manifestações contra a nova presidente provisória da Bolívia.

Manifestações contra a nova presidente provisória da Bolívia.

Bolivianos enfrentaram longas filas nas ruas de La Paz neste domingo em busca de frango, ovos e combustível para cozinhar, enquanto apoiadores do presidente deposto Evo Morales continuam bloqueando estradas do país, isolando centros populacionais de fazendas em terras mais baixas.

Autoridades disseram que um avião militar Hercules aterrissou na capital La Paz, no sábado, cheio de produtos de carne, contornando as barricadas nas estradas nas saídas da cidade.

O ministro da Presidência, Jerjes Justiniano, disse a repórteres que o governo estabeleceu uma “ponte aérea” para La Paz. Disse que autoridades esperam fazer o mesmo com outras grandes cidades bolivianas que foram isoladas de suprimentos.

A nação andina entrou em crise após as eleições de 20 de outubro. O então presidente Morales, que venceu o pleito, renunciou no domingo da semana passada, depois que a auditoria da Organização dos Estados Americanos revelou evidências de fraude eleitoral. Ele se asilou no México.

Apoiadores de Morales foram às ruas pouco depois, alguns armados com bazucas caseiras, pistolas e granadas, bloqueando ruas e entrando em conflito com forças de segurança.

Enquanto a violência piorava, muitos nas regiões mais pobres de La Paz passaram a cozinhar com lenha, e formaram longas filas por gás liquefeito, latas e pouca comida.

“Espero que as coisas se acalmem”, disse Josué Pillco, funcionário da construção civil em um bairro operário de La Paz. “Não temos comida ou combustível”.

Comissão de Direitos Humanos registra novas mortes na Bolívia

Quatro pessoas morreram nesse sábado (16/11/2019) em manifestações na Bolívia, elevando para pelo menos 23 o número mortos desde o final de outubro, início da crise social e política, anunciou a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

A CIDH, órgão da Organização dos Estados Americanos (OEA), também registrou pelo menos 122 feridos desde sexta-feira (15).

Também no sábado, o governo de transição da Bolívia garantiu que o decreto que isenta polícias e militares da responsabilidade criminal, quando agem em situações de necessidade e sob legítima defesa, não é uma “licença para matar” e está enquadrado na Constituição e nas leis do país.

Em entrevista no Palácio do Governo de La Paz, o ministro interino da Presidência, Xerxes Justiniano, disse que a medida divulgada na sexta-feira (15) “não contribui para nenhum estado de maior violência”, mas é um instrumento para “contribuir para a paz social”.

A resposta governamental surge na sequência de uma acusação feita pela CIDH, de que essa regra assinada pela presidente interina, Jeanine Áñez, “ignora os padrões internacionais” de direitos humanos e “estimula a repressão violenta”.

O ex-presidente boliviano Evo Morales afirmou, em entrevista divulgada sexta-feira pela agência de notícias Associated Press, que quer a ONU mediando a crise política no país e admitiu pedir a intervenção da Igreja Católica e do papa Francisco.

Morales afirmou ter sido deposto do cargo por um golpe de Estado que o forçou a exilar-se no México.

A renúncia de Morales surgiu após protestos em todo o país por suspeita de fraude na eleição de 20 de outubro, na qual o governante anunciou ter conquistado um quarto mandato.

Uma auditoria da Organização dos Estados Americanos constatou irregularidades generalizadas na eleição.

Grande parte da oposição a Morales foi desencadeada pela recusa do então chefe de Estado boliviano em aceitar um referendo que o poderia proibir de concorrer a novo mandato.

*Com informações de Daniel Ramos, da Agência Reuters e da Agência Brasil.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]