A poesia de Cícero Nepomuceno no livro ‘O Céu Pintou O Lago de Vermelho’ | Por Juarez Duarte Bomfim

Cícero Nepomuceno e ‘O Céu Pintou O Lago de Vermelho’

Cícero Nepomuceno e ‘O Céu Pintou O Lago de Vermelho’

O amor está no ar/ na terra do fogo /na areia da praia/ e até na água do mar. Leve, como um lago.  Leve, como um céu. Leve!

Se em seu primeiro livro “Se7e Pecados Tropicais”, Cícero Nepomuceno nos convidava, através de uma poesia mais underground, a olhar com atenção para a vida corriqueira e a pensar sobre os pecados já conhecidos, a nova obra do poeta ‘O Céu Pintou O Lago de Vermelho’ é mais clássica, traz poesias mais leves onde se reconecta com à natureza, o céu e o lago.

Em seu novo trabalho, o poeta faz uma espécie de ensaio sobre o Eu e a Natureza, tecendo um anagrama na tentativa de conciliar Deus e o homem. A polaridade é destaque na obra que traz a intrigante relação entre “O Céu” e “O lago”, onde as poesias refletem a luz da natureza, do desapego, dos relacionamentos, contrapondo-se pelos profundos questionamentos nas turvas águas do lago.

O Autor (dir.) e Danilo Yamamoto, Ilustrador

O Autor (dir.) e Danilo Yamamoto, Ilustrador

Danilo Yamamoto, o ilustrador

A ilustração do livro ficou por conta de artista plástico Danilo Yamamoto, parceria que expande a poesia através das suas ilustrações. “Conheci o Danilo em uma casa de cultura chamada ‘Estação Brasil’, lá eu participei de alguns eventos e saraus. Somos amigos há quatro anos, esse é o segundo trabalho que fazemos juntos e diferentemente das técnicas utilizadas no primeiro livro de colagem, spray e aquarela, ele teve a sensibilidade de compreender contexto poético e nos entregar uma arte com base na técnica oneline”.

O Céu Pintou O Lago de Vermelho

O Céu Pintou O Lago de Vermelho

Paz Sem Fronteiras

Cícero é membro da ONG Paz Sem Fronteiras, na qual o poeta revela ter um trabalho muito bacana, utilizando a arte em prol da cultura de paz. “Essa aproximação com a ONG me fez muito bem, descobri que essa sensação de tranquilidade, calmaria e de querer um lugar mais pacificado, já fazia parte da minha identidade. Foi muito importante adentrar poesias antigas e identificar essa essência em cada estrofe”.

Cícero Nepomuceno é paulistano e desde adolescente tinha uma inclinação poética pela arte. Integrou bandas na adolescência, época em que passou a fazer os seus versos próprios e chegou até a arriscar composições melódicas, que até hoje mantem o projeto musical ‘Licença Poética’. Todo esse trabalho rendeu a publicação independente do livreto “Labutaria – Poesia Sonora”.

Depois disso, o poeta adentrou saraus, apresentou sua arte e se valendo das redes sociais, passou a publicar poemetos e versos avulsos, registrando ali os seus sentimentos. Em 2017, lançou o livro “Se7e Pecados Tropicais” percorrendo em parceria com a Editora Kázua importantes âmbitos literários, tais FLIP-RJ 2018 e também a Bienal do Livro SP.

Agora está de volta com seu novo trabalho buscando desbravar outros universos nessa caminhada literária e nos presentear com muita poesia!

Leona Cavalli escreveu o Posfácio

Leona Cavalli escreveu o Posfácio

Leona Cavalli, atriz e escritora

Sobre o livro de poemas ‘O céu pintou o lago de vermelho’, de Cícero Nepomuceno, a atriz e escritora Leona Cavalli disse, no Posfácio: “vermelho como cor ou como inspiração de amor, vermelho forte ou suave, vermelho como origem de outros tons na força raiz de um povo, na cultura da palavra viva; vermelho feito livro, pelas mãos e pelo coração do poeta.

“Cícero Nepomuceno tem tudo isso em si, e nos presenteia com suas cores, nuances, musicalidade, sensações e percepções numa linguagem cheia de tonalidades e mistérios, que nos convida a um mergulho neste lago vermelho de infinitas possibilidades, dentro de um livro de rara beleza e pura poesia”.

Cícero Nepomuceno

Cícero Nepomuceno

‘O céu pintou o lago de vermelho’, por Cícero Nepomuceno

Com um toque de hermetismo, a polaridade e a correspondência no contexto dessa obra causam um efeito avermelhado na intrigante relação entre “O céu” e “O lago”, na qual, as poesias postas sob a luz da natureza, do desapego, da existência e de excitantes relacionamentos contrapõem-se por questões importantes nas profundas águas do lago.

Tomado por esses reflexos, intenções e conclusões, as poesias possibilitam um olhar atento para a nossa integração com a natureza, com o outro ser, com as coisas e com nós mesmo.

Uma viagem poética desbravando a nossa própria essência.

Ficha Técnica

Título: O Céu Pintou O Lago de Vermelho

Autor: Cícero Nepomuceno

Preço: R$ 36,00

Selo: Editora Kazuá

ISBN: 978-85-5565-208-0

Formato: 21 x 14 x 0,5

Lançamento: Setembro 2019

Páginas: 112

Bárbara Boury, Cícero Nepomuceno, Gabi Macedo e Carla Ferrari

Bárbara Boury, Cícero Nepomuceno, Gabi Macedo e Carla Ferrari

Dedicatória para Juarez Duarte Bomfim

Dedicatória para Juarez Duarte Bomfim

Pesquisador Juarez Duarte Bomfim apresenta exemplar da obra ‘O céu pintou o lago de vermelho’, de autoria de Cícero Nepomuceno.

Pesquisador Juarez Duarte Bomfim apresenta exemplar da obra ‘O céu pintou o lago de vermelho’, de autoria de Cícero Nepomuceno.

Publicações de Cícero Nepomuceno :

2015 – Labutaria, poesia sonora

Livreto áudio visual

ISBN: Independente

Organizou e participou do Livreto

2016 – 180 gramas – Antologia Sarau do Vinil

Considerado um dos Poetas da Casa

ISBN: Independente

2017 – Se7e Pecados Tropicais

Livro autoral de poemas

Editora Kazuá

ISBN: 978-85-5565-079-6

2019 – O céu pintou lago de vermelho

Livro autoral de poemas

Editora Kazuá

ISBN: 978-85-5565-208-0

Cícero Nepomuceno em “Se7e Pecados Tropicais” (veja o vídeo):

(Fotos do artigo: crédito para Gustavo Figueiredo, excluindo as fotos de Juarez Duarte Bomfim e Leona Cavalli, da Internet)

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]