Vereadores discutem sobre o Shopping Popular de Feira de Santana

Alberto Nery: coloquei dois requerimentos pedindo esse contrato, mas até hoje não tive acesso. Nosso advogado pediu diretamente ao secretário, que prometeu dar no outro dia e isso já tem seis meses.
Alberto Nery: coloquei dois requerimentos pedindo esse contrato, mas até hoje não tive acesso. Nosso advogado pediu diretamente ao secretário, que prometeu dar no outro dia e isso já tem seis meses.
Alberto Nery: coloquei dois requerimentos pedindo esse contrato, mas até hoje não tive acesso. Nosso advogado pediu diretamente ao secretário, que prometeu dar no outro dia e isso já tem seis meses.
Alberto Nery: coloquei dois requerimentos pedindo esse contrato, mas até hoje não tive acesso. Nosso advogado pediu diretamente ao secretário, que prometeu dar no outro dia e isso já tem seis meses.

Nery faz questionamentos sobre o Shopping Popular

O vereador Alberto Nery (PT) pediu ao colega Luiz da Feira (Cidadania) mais informações em relação ao funcionamento do Shopping Popular. Nery aproveitou para tratar sobre as eleições partidárias no PT.

“Eu vou voltar a um ponto que parei: recebi ligações de camelôs me fazendo algumas indagações e quero que me esclareçam. Além dos 1800 boxes, no valor de R$ 80 o metro quadrado, os outros 1200 boxes também serão pagos. Então, por que não reduzem os valores dos boxes dos camelôs? O secretário Borges Júnior estava em Dilton Coutinho hoje e falou que o contrato que o advogado dos camelôs disse ter acesso era fake, e que nós possuímos o contrato verdadeiro. Edvaldo disse que já recebeu esse contrato há seis meses. Quero que seja apresentado à esta Casa o contrato verdadeiro”, pontuou Nery.

Em resposta, o vereador Luiz da Feira parabenizou o gesto de carinho de Nery para com os camelôs. “Coloquei dois requerimentos pedindo esse contrato, mas até hoje não tive acesso. Nosso advogado pediu diretamente ao secretário, que prometeu dar no outro dia e isso já tem seis meses”, respondeu.

De volta com a palavra, Nery informou que, segundo o secretário Borges Júnior, o contrato ainda está sendo elaborado. “Então, como Edvaldo disse que já teve acesso ao contrato e ele não chega nesta Casa? Quero melhores explicações”, pediu.

O vereador Luiz da Feira reconheceu que os camelôs estão muito preocupados. “Estão tendo dificuldades em fazer a biometria e não têm acesso ao contrato. Como vão para o Shopping e não têm acesso ao contrato para saberem como vai funcionar, de fato, o equipamento? Porque esses boxes excedentes também não foram contemplados através de sorteio, como aconteceu com os camelôs? O Shopping não é popular, é particular. Prefeito e secretário precisam estar atentos a isso. O estacionamento já está maior, o artesanato está em cima do estacionamento e ainda tem camelôs de fora”, questionou.

Nery voltou a questionar sobre os 1200 boxes que serão comercializados para empresários. “Está correndo o risco de serem grandes empresários, o que vai dificultar os pequenos camelôs. Todos devem ser sorteados. Com relação à construção da creche, ela é bem-vinda, mas não podemos esquecer essa questão do sorteio, que está acontecendo de forma a pressionar o camelô. Alguns boxes serão sorteados e outros escolhidos”, ressaltou.

PT

Ainda no uso da tribuna, o edil tratou sobre as eleições que acontecerão dentro do Partido dos Trabalhadores. “A sigla tem um dos maiores números de filiados. Vamos apoiar a companheira Ivanilde Santa Barbara, que tem feito um bom trabalho na região e vai construir uma candidatura sólida. Unimos esforços para que ela seja a vencedora e assim tenhamos uma disputa maior em 2020 e 2022”, disse.

Segundo Nery, o PT está trabalhando para voltar ao poder nas eleições de 2022. “Todos estão acompanhamos o andamento do nosso país e precisamos construir um trabalho para 2022, para que voltemos a tomar a posição, que é extremamente importante. Ouvimos que foram cortados milhões de quem necessita de bolsas de estudo, portanto esse Governo não tem compromisso com estudos. As pesquisas serão paradas, por conta do Governo Federal e somente nas próximas eleições podemos derrotar esse Governo que aí está”, findou.

Luiz Ferreira reforça sua defesa aos camelôs da cidade

Mais um camelô sendo maltratado”, lamentou Luiz Ferreira Dias (PPL) ao repercutir o caso de agressão a uma comerciante, na abertura da Expofeira 2019, realizada no domingo (01), no Parque de Exposições João Martins da Silva.

Comovido com a ocorrência, o vereador Luiz da Feira usou a tribuna, na sessão ordinária desta segunda-feira (02), para reivindicar pelos direitos dos vendedores ambulantes de Feira de Santana. “Estou triste com a situação que aconteceu na Expofeira, mais um camelô sendo maltratado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Esse problema também está acontecendo no centro da cidade e o prefeito tem que ver essa questão”.

Na oportunidade, o edil também abordou o contrato do Centro Comercial Popular, afirmando que ele visa “atropelar o camelô”. Segundo Luiz da Feira, a cláusula 8 dispõe “que o inadimplente que não regularizar a sua situação em 60 dias, será notificado e terá o seu box lacrado, tendo sua mercadoria levada para o depósito do consórcio. E então, o consórcio contratará quem ele quiser no lugar desse comerciante”. E lamentou “imagina esse camelô quando chegar no box lacrado, ele vai voltar pra casa com 3, 4 filhos e vai ficar com depressão”.

O parlamentar ainda solicitou do prefeito Colbert Martins a revisão do contrato, “os nossos camelôs estão desesperados. O prefeito tem que agir e abraçar os comerciantes de Feira de Santana”, e protestou “isso é um shopping particular, não um shopping popular”.

Marcos Lima defende alternativa para a redução do aluguel de boxes no Shopping Popular

Líder da bancada governista Marcos Lima (Patriota) esclareceu sobre a metragem e valor do aluguel dos boxes do Shopping Popular, defendendo que existem alternativas para os comerciantes.

De acordo com o parlamentar, os vendedores ambulantes que irão comercializar suas mercadorias no Centro Comercial Popular têm a possibilidade de escolher a metragem dos seus boxes, não sendo obrigatório que fiquem com os de maior área. Quanto aos valores do aluguel, o vereador esclareceu “pegando o de 5 metros, com certeza irá pagar um valor maior”.

Ainda em seu discurso, o vereador repercutiu a matéria publicada no portal Rota da Informação “Equipe de Assessoria de Comunicação abre nova visão para o ensino superior em Feira de Santana” e parabenizou os publicitários Roberlan Arlindo e Lucas Nogueira, a Lúria Sarraf e o acadêmico de Jornalismo Thiago Santana, que foram convidados para compor a Assessoria de Comunicação do Projeto Teses

Marcos Lima finalizou citando as práticas recentes da Prefeitura para a retirada diária de toneladas de lixo da cidade, bem como, o estímulo do Governo para a propagação da campanha do “Setembro Amarelo” – mês de prevenção ao suicídio.

Alberto Nery manifesta insatisfação com o Governo Municipal

O vereador Alberto Nery (PT), manifestou sua decepção com a reunião realizada no Ministério Público na última quarta-feira (28), para debater pautas do Centro Comercial Popular.

De acordo com o parlamentar, a reunião entre vereadores, representantes do governo municipal e o Ministério Público já estava marcada pela Prefeitura e visava discutir os impactos ambientais do novo empreendimento, ao invés de abordar as demandas dos vendedores ambulantes que serão transferidos para o Shopping Popular. “Lá seria discutido as reivindicações da pauta dos trabalhadores, mas, na verdade, havia uma audiência marcada, com data e horário pré-determinado, para tratar as questões relativas ao meio ambiente, e outras pautas que não eram a reivindicação dos camelôs”.

Nery afirmou ter sido enganado pelo prefeito Colbert Martins e completou relatando uma fala do secretário de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico – Borges Júnior – sobre o valor do aluguel dos boxes “eu ouvi o secretário fazendo o relato de que os problemas já foram todos resolvidos e fez um acordo com as associações que representam os camelôs, no qual, vão pagar R$ 80,00 por metro quadrado. Aqueles que ocuparem três metros irão pagar R$ 240,00 e assim sucessivamente.

Em aparte, o vereador Luiz Ferreira Dias (PPL), afirmou que não houve acerto com associações. “Ele não sentou para tentar resolver essa situação, apenas falou que pode reduzir o tamanho dos boxes. Já que ele pode fazer assim, por que não pode quebrar o contrato para abaixar o preço do nosso Shopping Popular, já que ninguém tem condições de pagar?

De volta com a palavra Nery teceu críticas ao Governo Municipal “é irresponsabilidade do gestor público municipal permitir essa situação que hoje vivemos no centro de Feira de Santana, e agora, querer deslocar as pessoas para esse empreendimento. Mas, as pessoas hoje não estão pagando nada, deve haver o processo de carência, pelo menos de 3 a 6 meses, para que eles comecem a pagar.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111167 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]