Pesquisa de intenção de voto demonstra hegemonia da direita em Feira de Santana e inconsistência de dado com relação a Dayane Pimentel

Tabela com dados sobre a pesquisa de intenção de voto para prefeito de Feira de Santana. Levantamento foi realizado pela Paraná Pesquisa e divulgado em 27 de agosto de 2019.
Tabela com dados sobre a pesquisa de intenção de voto para prefeito de Feira de Santana. Levantamento foi realizado pela Paraná Pesquisa e divulgado em 27 de agosto de 2019.
Tabela com dados sobre a pesquisa de intenção de voto para prefeito de Feira de Santana. Levantamento foi realizado pela Paraná Pesquisa e divulgado em 27 de agosto de 2019.
Tabela com dados sobre a pesquisa de intenção de voto para prefeito de Feira de Santana. Levantamento foi realizado pela Paraná Pesquisa e divulgado em 27 de agosto de 2019.

O levantamento estatístico apresentado pelo Instituto Paraná Pesquisa — através de questionários aplicados entre os dias 22 e 25 de agosto de 2019 e divulgado no dia 27, em que foram abordados a intenção de voto para prefeito de Feira de Santana no pleito eleitoral de 2020 e avaliação da administração municipal conduzida pelo prefeito Colbert Martins Filho (MDB) — apresentou conjunto de dados que merecem reflexão.

Segundo a pesquisa de opinião pública estimulada, José Cerqueira Neto (Zé Neto, PT) lidera a intenção de votos, com 26,5%; seguido por Colbert Martins Filho (MDB), 14,1%; Targino Machado (DEM), 10,6%; Dayane Pimentel (PSL), 10,4%; Carlos Geilson (sem partido), 7,8%; Jhonatas Monteiro (PSOL), 5,5% e Angelo Almeida (PSB), 2,8%. 17,2% disseram que não votam em nenhum dos candidatos e 5,1%, afirmaram não ter opinião definida.

A análise dos dados indica que os partidos de direita e extrema-direita apresentam hegemonia. Quando somadas as intenções de voto de Colbert Martins Filho (MDB), Targino Machado, Dayane Pimentel e Carlos Geilson (sem partido) o campo da direita totalizam 42,9% das intenções de voto.

Enquanto o campo da esquerda e centro-esquerda, somando os votos de Zé Neto, Jhonatas Monteiro e Angelo Almeida (PSB) totalizam 34,8% das intenções de voto.

Observa-se que os votos de Carlos Geilson, ouvidor-geral do Estado da Bahia e ex-integrante do grupo liderado pelo ex-prefeito José Ronaldo não foram contabilizados para o campo da esquerda, porque a identidade política e o último pleito eleitoral do atual membro do Governo Rui Costa ocorreu no campo da direita, tendo, inclusive, disputado o pleito de 2018 pelo PSDB, partido que na Bahia é liderado pelo Magalhismo.

Inconsistência

Um dos dados que apresenta inconsistência é o percentual de intenção de voto atribuído à Dayane Pimentel, deputada federal, liderada do presidente Jair Boslonaro, cujo governo é avaliado negativamente pela população.

Na eleição de 2018, Dayane Pimentel obteve, em Feira de Santana, 15.928 votos. Ocorre que, segundo setores da impressa, ela encomendou a pesquisa que lhe confere 29.681 intenções de voto. O cálculo é feito com base nos dados eleitorais da disputa municipal de Feira de Santana ocorrida em 2016, cujo total de votos destinado aos candidatos à prefeito, no segundo turno, foi de 298.681.

A pergunta que emerge é: como, Dayane Pimentel representando um governo de extrema-direita, marcado por retrocessos socioeconômicos e ambientais e avaliado negativamente pela população conseguiu dobrar o potencial Eleitoral?

É possível supor, no contexto, que a pesquisa não corresponda a realidade, no tocante a Dayane Pimentel, porque é evidente que o cruzamento de dados estatísticos aponta para a perda de potencial eleitoral dos aliados do extremista Jair Bolsonaro.

Observar-se que, no segundo turno das eleições municipais de 2016 em Feira de Santana, do total de 397.588 eleitores inscritos, 67.971 (17,10%) se abstiveram, 329.617 participaram do pleito, sendo que 298.681 (90,61%) votaram e que, destes, 8.314 (2,52%) foram em branco e 22.622 (6,86%) nulos.

Falhas

O relatório da pesquisa apresentado pela empresa Paraná falha, ao não apresentar a metodologia para listagem de nomes a serem incluídos como potenciais candidatos ao pleito de 2020. Por exemplo, o deputado estadual José de Arimateia (Republicanos), o ex-deputado Antônio Lázaro e o vereador de sétimo mandato Roberto Tourinho (PV) não aparecem como potenciais candidatos à prefeito.

Outro dado ausente na pesquisa e que é de relevo para definição de cenário eleitoral é o potencial de influência na definição do voto. Neste aspecto, o ex-prefeito José Ronaldo (DEM), o governador Rui Costa (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PSL) não são apresentados no questionário sobre o potencial de definição do voto, caso apoiem um dos nomes para prefeito. Este aspecto é relevante para compreender como o eleitor pretende definir o voto em 2020 e está ausente do relatório da pesquisa.

*Carlos Augusto é cientista social e jornalista.

Baixe

Pesquisa de intenção de voto para prefeito e avaliação da administração municipal de Feira de Santana. Levantamento foi realizado pela Paraná Pesquisa e divulgado em 27 de agosto de 2019

Sobre Carlos Augusto 9451 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).