Livro ‘Pedra de Xangô: um lugar sagrado afro-brasileiro na cidade de Salvador’ é lançado no Espaço Cultural da Barroquinha

Capa do Livro 'Pedra de Xangô: um lugar sagrado afro-brasileiro na cidade de Salvador'.
Capa do Livro 'Pedra de Xangô: um lugar sagrado afro-brasileiro na cidade de Salvador'.
Capa do Livro 'Pedra de Xangô: um lugar sagrado afro-brasileiro na cidade de Salvador'.
Capa do Livro ‘Pedra de Xangô: um lugar sagrado afro-brasileiro na cidade de Salvador’.

Foi lançado na tarde desta quarta-feira (18/09/2019) o livro “Pedra de Xangô: um lugar sagrado afro-brasileiro na cidade de Salvador”, de Maria Alice Pereira da Silva, no Espaço Cultural da Barroquinha. O evento foi realizado pela Prefeitura, por meio da Fundação Gregório de Mattos (FGM), e ocorreu como parte da programação do Festival da Primavera.

Mais de 130 pessoas compareceram ao evento, que reuniu autoridades religiosas, representantes de autarquias municipais e de órgãos públicos. Emocionada com o alcance que seu projeto ganhou e com os ganhos que ele proporcionou para toda a capital baiana, a autora reforçou a importância da mobilização popular para a transformação das comunidades.

“Me sinto muito feliz por mostrar a cidade de Salvador essa história que não é só minha, é do povo negro, das comunidades de terreiros, dos movimentos ambientalistas. É um enredo porque muitas pessoas participaram de toda mobilização para que chegássemos até aqui. É uma honra muito grande saber que a minha dissertação não está nas gavetas das bibliotecas, que foi capaz de produzir políticas públicas e está servindo como exemplo de como as comunidades podem pautar os poderes públicos e promover igualdade”, afirmou Maria Alice.

Resultado de uma dissertação de mestrado da pesquisadora, que integra o grupo de EtniCidades da Faculdade de Arquitetura da Ufba, a pesquisa serviu de base teórica para o tombamento da Pedra de Xangô e da área considerada Sítio Histórico do antigo Quilombo Buraco do Tatu.

Estudo – Em seu estudo, a autora discorre sobre a formação rochosa de oito metros de altura e, aproximadamente, 30 de diâmetro, localizada na Avenida Assis Valente, em Cajazeiras. Além de analisar a importância da Pedra de Xangô enquanto elemento cultural para os terreiros de Cajazeiras, bem como para cultura afro-brasileira, o livro também investiga a utilização do monumento natural em festas públicas, dentro do calendário litúrgico e do cotidiano das religiões de matriz africana.

Antes do lançamento do livro, foi realizado o seminário “Pedra de Xangô: centro de convergência religiosa, cultural e política da cidade de Salvador”, momento no qual a pesquisadora explanou sobre sua dissertação, que envolve desde aspectos demográficos, histórico de degradação ambiental até questões religiosas. Em outubro, a pesquisadora apresentará essa pesquisa para estudiosos da Harvard University, nos Estados Unidos.

Entre os participantes que fizeram a abertura da mesa do seminário esteve a presidente da Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), Tânia Scofield, que falou sobre o projeto municipal do Parque em Rede Pedra de Xango; o titular da Secretaria Municipal de Sustentabilidade, Inovação e Resiliência (Secis), André Fraga; o representante da da Faculdade de Arquitetura da Ufba, Fabio Velame; e o presidente da FGM, Fernando Guerreiro.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108705 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]