IBGE informa que ocorreu deflação de -0,14% no mês de julho de 2019, na Região Metropolitana de Salvador

Tabela do IBGE apresenta dados sobre deflação de -0,14% no mês de julho de 2019, na Região Metropolitana de Salvador.Tabela do IBGE apresenta dados sobre deflação de -0,14% no mês de julho de 2019, na Região Metropolitana de Salvador.
Tabela do IBGE apresenta dados sobre deflação de -0,14% no mês de julho de 2019, na Região Metropolitana de Salvador.

Tabela do IBGE apresenta dados sobre deflação de -0,14% no mês de julho de 2019, na Região Metropolitana de Salvador.

Em julho de 2019, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medida oficial da inflação, ficou em -0,14% na Região Metropolitana de Salvador (RMS), desacelerando pelo terceiro mês consecutivo e atingindo seu menor patamar no ano de 2019. Foi também o menor IPCA para a RMS, num mês de julho, desde 2014, quando havia sido registrada uma deflação de -0,61%.

O IPCA de julho na RM Salvador ficou abaixo da média nacional (0,19%). No mês, 6 das 16 áreas pesquisadas tiveram deflação, com destaques para os municípios de Goiânia/GO (-0,22%) e Rio Branco/AC (-0,21%). No outro extremo a inflação foi maior nas regiões metropolitanas de Porto Alegre (0,54%) e Rio de Janeiro (0,30%).

Com o resultado de julho, o IPCA na RM Salvador acumula alta de 2,13% no ano de 2019. No país como um todo, o índice acumulado neste ano está em 2,42%.

Já no acumulado nos 12 meses encerrados em julho, a inflação na RM Salvador desacelerou pela terceira vez, indo a 2,94% e se afastando ainda mais da média nacional (3,22%). A RMS tem a terceira inflação mais baixa no acumulado em 12 meses, ficando acima apenas de Brasília (2,54%) e da RM Curitiba/PR (2,39%).

A tabela a seguir mostra o IPCA para o Brasil e áreas pesquisadas, no mês, acumulado no ano e nos 12 meses encerrados em julho de 2019.

Deflações em transportes (-1,64%) e vestuário (-1,14%) foram as que mais puxaram o IPCA de julho para baixo na RMS

Dentre os nove grupos de produtos e serviços que compõem o IPCA, quatro tiveram deflação em julho, na Região Metropolitana de Salvador. Com as maiores quedas, Transportes (-1,64%) e Vestuário (-1,14%) foram também os que mais puxaram o índice para baixo.

Os transportes tiveram sua primeira deflação desde fevereiro, influenciados, sobretudo, pela queda média nos preços dos combustíveis (-6,92%). A gasolina (-6,89%) foi o item que, individualmente, mais contribuiu para deflação de julho, na RMS. Mas os preços do etanol (-10,23%, segunda principal influência para baixo) e do óleo diesel (-1,48%) também mostraram recuos importantes.

Já o grupo vestuário teve a segunda deflação consecutiva, o que refletiu em grande parte as liquidações e promoções de julho, com influência das roupas (-0,93%), sobretudo as femininas (-1,81%).

O recuo nos preços das despesas com saúde e cuidados pessoais (-0,56%) também teve contribuição importante na deflação de julho, na RMS. Pesou nesse resultado a retração de itens relacionados a cuidados pessoais (-2,63%), como perfume (-2,66%) e artigos de maquiagem (-13,27%).

O IPCA de julho não foi menor porque os gastos com habitação (1,08%) e alimentação e bebidas (0,22%) puxaram o índice para cima.

Dentre as despesas com moradia, as altas na energia elétrica (5,45%) e na taxa de água e esgoto (1,95%) tiveram o maior peso. Os aumentos refletiram, por um lado, a entrada em vigor da bandeira tarifária amarela para as contas de luz e, por outro, o reajuste na taxa de água e esgoto em Salvador.

Entre os alimentos, as maiores altas vieram daqueles consumidos no próprio domicílio (0,50%), como a cebola (47,17%), que teve o maior aumento dentre todos os itens considerados pelo IPCA, o pão francês (1,73%) e a batata-inglesa (6,4%). A alimentação fora de casa teve deflação em julho, na RMS (-0,37%).

Na RM Salvador, INPC foi de 0,06% em julho

Na Região Metropolitana de Salvador, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação das famílias com menores rendimentos, foi de 0,06%, em julho. Ficou acima do -0,08% registrado em junho deste ano, mas menor que o 0,15% registrado em julho de 2018. Ficou também abaixo da média nacional (0,10%).

Como resultado do mês, o INPC acumulado no ano de 2019, na RMS, está em 2,39%, abaixo da média nacional (2,55%). Já o acumulado nos 12 meses encerrados em julho chega a 3,33%, acima do índice do país como um todo (3,16%).

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]