Derrotas na Justiça vão custar à União R$ 31 bilhões em 2020, salto de quase 50%

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Governo Bolsonaro coleciona derrotas na Justiça.
Governo Bolsonaro coleciona derrotas na Justiça.
Governo Bolsonaro coleciona derrotas na Justiça.
Governo Bolsonaro coleciona derrotas na Justiça.

Com receitas sem brilho e sob pressão de crescentes despesas obrigatórias, o Governo Bolsonaro enfrentará em 2020 outro revés de peso no Orçamento: um salto de 48,5% no custo com processos em que sofreu derrota definitiva na Justiça.

As despesas, que tradicionalmente abarcam indenizações, benefícios e devolução de tributos contestados, somarão patamar recorde de 31,2 bilhões de reais, valor que supera o desembolso anual histórico do programa Bolsa Família.

Deste total, 9%, ou 2,8 bilhões de reais vão ser destinados a uma única cooperativa, a Copersucar.

Os valores constam em documentos vistos pela Reuters e que foram enviados pelo Conselho Federal de Justiça para a equipe econômica para elaboração do projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020, que deve ser encaminhado pelo governo até o fim deste mês ao Congresso Nacional.

A despesa total prevista contempla tanto recursos que são de fato especificados no Orçamento, como sentenças judiciais e precatórios, como pagamentos que entram na linha de despesas com pessoal e de benefícios previdenciários.

Em relação ao Orçamento deste ano, houve um crescimento de 10,2 bilhões de reais no total de precatórios, como são chamados os valores devidos após condenação judicial definitiva. O aumento deverá anular os efeitos positivos da reforma da Previdência estimados para o ano que vem.

O governo espera economizar 10,1 bilhões em 2020 com a reforma tal qual aprovada pela Câmara dos Deputados. O texto ainda precisa ser apreciado no Senado.

Na prática, a União também gastará mais com os precatórios do que vinha destinando anualmente ao Bolsa Família. O programa de transferência direta de renda que beneficia pessoas em situação de pobreza e de extrema pobreza foi orçado em 29,5 bilhões de reais para 2019, com o atendimento a 13,6 milhões de famílias.

Com a salgada conta de precatórios em 2020, o governo honrará suas obrigações judiciais junto a um grupo muito menor. A Copersucar, maior beneficiada, reúne algumas dezenas de usinas de álcool e açúcar.

O valor total devido à Copersucar —parcelado desde 2018 e que terminará de ser pago em 2024— é de 16,5 bilhões de reais, um recorde para precatórios, refletindo conta que chegou com força no presente por controversas políticas econômicas implementadas no passado.

Bilhões às usinas

Em 1990, a Copersucar ajuizou uma ação contra a União por prejuízos que alegou ter sofrido de 1985 a 1989 em função do tabelamento para derivados da cana de açúcar definido pelo extinto Instituto Brasileiro do Açúcar e do Álcool (IAA), que pertencia ao governo.

A legislação então vigente estabelecia que o IAA deveria levar em conta levantamentos de campo feitos pela Fundação Getulio Vargas (FGV) para que os preços fixados não ficassem abaixo do custo de produção apurado.

A Copersucar apontou que isso não aconteceu, em meio à tentativa do governo de domar a galopante inflação. Na ação, pediu indenização por essa diferença de valores.

Esgotadas as possibilidades de discussão do caso na Justiça, a União viu-se obrigada a arcar com os dois maiores precatórios da história, ambos para a Copersucar. O primeiro, que começou a ser quitado em 2018, é de 5,6 bilhões de reais.

O segundo, cujo pagamento começou neste ano, alcançou outros 10,9 bilhões de reais, conforme documentos vistos pela Reuters. A Advocacia Geral da União (AGU) segurou a expedição desse precatório até o último instante possível, não devolvendo o processo à Justiça, que então determinou que fosse feita uma busca e apreensão no órgão.

Pelas ações adotadas para protelar o pagamento, a AGU chegou a ser multada mais de uma vez em dezenas de milhões de reais. Mas, segundo o órgão informou à Reuters, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região afastou a incidência da punição “reconhecendo que não houve irregularidade ou má-fé”.

Procurada, a Copersucar afirmou que não se manifesta em relação ao processo dos precatórios “porque há uma série de implicações jurídicas”.

Apesar de ter sido derrotada e de os precatórios já estarem sendo pagos, a AGU disse à Reuters que segue defendendo “com plena convicção” sua tese junto ao Poder Judiciário.

“Embora pela diferença entre os preços e os custos apurados se pudesse falar da existência de um dano sofrido, seria imprescindível a sua quantificação concreta, já que em muitos casos esse dano poderia chegar a zero, pelo fato de que inúmeros fatores contábeis envolvidos nos custos de cada empresa poderiam não ser comprovados por elas ou mesmo poderiam ter levado a uma situação em que não foi nada prejudicial a prática dos preços fixados pela entidade reguladora hoje extinta (IAA)”, disse a AGU.

Já o Ministério da Economia reconheceu que a conta de precatórios vem subindo ao longo do tempo. Em resposta à Reuters, defendeu que diversos fatores contribuem para esse crescimento, mas limitou-se a dizer que essas são “questões que remontam a mais de 30 anos e não se limitam a uma ou outra empresa”.

*Com informações de Marcela Ayres, da Agência Reuters.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 121775 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.