Subordinada ao ministro Sérgio Moro, Polícia Federal investiga finanças do jornalista Glenn Greenwald; Atitude é avaliada como ato persecutório e grave violação à Liberdade de Imprensa

Glenn Greenwald, jornalista, advogado e diretor do Intercept Brasil.
Glenn Greenwald, jornalista, advogado e diretor do Intercept Brasil.
Glenn Greenwald, jornalista, advogado e diretor do Intercept Brasil.
Glenn Greenwald, jornalista, advogado e diretor do Intercept Brasil.

A Polícia Federal (PF) pediu ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) informações sobre as movimentações feitas pelo jornalista americano Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, de acordo com informações publicadas pela página O Antagonista.

A nota postada na tarde desta terça-feira afirma que o objetivo do pedido da PF – corporação equivalente ao FBI e que é subordinada ao ministro Sergio Moro – é verificar qualquer movimentação suspeita que possa estar relacionada à invasão de celulares de integrantes da Operação Lava Jato.

Ainda de acordo com O Antagonista, Greenwald só será investigado em caso de existir algum indício que ele possa ter participação no que a página chama de “serviço criminoso” por encomenda.

A publicação da nota gerou reações. Em sua página no Twitter, Greenwald declarou que a ação da PF, se confirmada, estaria configurada como “abuso de poder”. Em uma mensagem direta a Moro pela rede social, o jornalista do The Intercept Brasil sugeriu que ele “investigue tudo o que quiser”.

Presente nesta terça-feira na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, Moro não respondeu se a PF está mesmo investigando as finanças de Greenwald. Ele voltou a questionar a veracidade do conteúdo e declarou apenas que essa e outras perguntas devem ser feitas “ao órgão certo”.

Entretanto, em outro momento da audiência com os deputados, o ministro da Justiça afirmou que, na sua opinião, “alguém com muitos recursos está por trás dessas invasões”, reforçando uma narrativa de que a invasão de celulares é o que alimenta a série de reportagens que o The Intercept Brasil vem fazendo acerca de supostos diálogos entre ele e procuradores da Lava Jato.

Já Greenwald garante que o conteúdo dos vazamentos não são obra de um ataque de hackers a celulares, preferindo evocar o direito de sigilo à fonte, previsto na Constituição Federal.

Em entrevista à Sputnik Brasil na segunda-feira, a presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), Maria José Braga, avaliou que as ameaças que Greenwald vêm sofrendo podem ser classificadas como um atentado à liberdade de imprensa no Brasil.

*Com informações da Agência Sputnik Brasil.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 110914 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]