Justiça Federal de São Paulo transforma deputado Aécio Neves em réu por corrupção e obstrução

Juiz ratificou decisão da Primeira Turma do STF tomada em abril de 2018. Caso de Aécio Neves foi remetido à primeira instância porque o tucano não é mais senador.
Juiz ratificou decisão da Primeira Turma do STF tomada em abril de 2018. Caso de Aécio Neves foi remetido à primeira instância porque o tucano não é mais senador.
Juiz ratificou decisão da Primeira Turma do STF tomada em abril de 2018. Caso de Aécio Neves foi remetido à primeira instância porque o tucano não é mais senador.
Juiz ratificou decisão da Primeira Turma do STF tomada em abril de 2018. Caso de Aécio Neves foi remetido à primeira instância porque o tucano não é mais senador.

A Justiça Federal de São Paulo ratificou nesta sexta-feira (05/07/2019) a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) que tornou o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) réu pelos crimes de corrupção passiva e obstrução à Justiça. Além dele,  responderão à ação na primeira instância da Justiça a irmã do tucano Andrea Neves, o primo dele Frederico Pacheco de Medeiros e Mendherson de Souza Lima, ex-assessor do ex-senador Zezé Perrella.

Em abril de 2018, o colegiado decidiu por 4 votos a 1 aceitar a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) que acusou Aécio e os outros réus do recebimento de 2 milhões de reais da JBS em 2017. Ele também foi denunciado por supostas articulações para “embaraçar” e “constranger” as investigações Lava Jato, por meio de projetos de anistia ao caixa dois e de abuso de autoridade no Congresso e do direcionamento de delegados para assumir inquéritos específicos “com a finalidade de beneficiá-lo”.

*Com informações de João Pedroso de Campos, da Revista Veja.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9605 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).