De abril para maio de 2019, produção industrial da Bahia cresce 1,1%

Tabela do IBGE aponta crescimento da produção industrial da Bahia, de abril para maio de 2019, em 1,1%.

Tabela do IBGE aponta crescimento da produção industrial da Bahia, de abril para maio de 2019, em 1,1%.

Em maio de 2019, a produção industrial da Bahia cresceu novamente frente ao mês anterior (1,1%), descontados os efeitos sazonais, após o avanço de 8,7% registrado na passagem de março para abril.

O desempenho da indústria baiana nessa comparação foi melhor que a média nacional (-0,2%) e acompanhou o movimento de alta verificado em 6 dos 15 locais investigados pelo IBGE.

De abril para maio, a atividade fabril cresceu mais no Pará (59,1%), no Rio de Janeiro (8,8%) e em Goiás (1,6%). As maiores quedas foram registradas em Santa Catarina (-1,3%), no Rio Grande do Sul (-1,4%) e no Espírito Santo (-2,2%).

No confronto com maio de 2018, o resultado da produção industrial baiana também foi positivo (12,3%) e superou o do país como um todo (7,1%). Nessa comparação, foi o melhor maio para a indústria na Bahia desde 2010, quando a produção havia crescido 21,7%.

Frente ao mesmo mês do ano passado, a produção industrial só caiu em 3 dos 15 locais investigados. A disseminação de resultados positivos tem forte relação com a baixa base de comparação, já que, em maio de 2018, a produção industrial em muitos estados havia sido bastante afetada pela greve dos caminhoneiros.

Nessa comparação, os melhores resultados ficaram com Paraná (27,8%), Rio Grande do Sul (19,9%) e Santa Catarina (19,3%), e os três recuos foram registrados no Pará (-0,7%), em Minas Gerais (-2,4%) e no Espírito Santo (-17,4%).

Com o desempenho do mês, a produção industrial na Bahia passou a ter uma variação positiva (0,1%) no acumulado no ano de 2019, frente ao mesmo período de 2018. Embora discreto, foi o primeiro crescimento desse indicador neste ano. O resultado também ficou positivo, pela primeira vez desde janeiro, no acumulado em 12 meses (1,4%).

Em ambos os casos, o desempenho da produção industrial baiana supera a média nacional, que cai no acumulado em 2019 (-0,7%) e se mantém estável (0,0%) nos 12 meses encerrados em maio.

O quadro a seguir mostra as variações da produção industrial brasileira e regional em maio de 2019.

Avanços na fabricação de veículos (48,9%) e na metalurgia (75,5%) puxam produção industrial baiana para cima em maio

O crescimento de 12,3% na produção industrial da Bahia, na comparação com maio de 2018, foi resultado do desempenho positivo tanto da indústria de transformação (12,9%) quanto da indústria extrativa (2,2%).

Foi também um resultado disseminado por 9 dos 11 segmentos da indústria de transformação pesquisados separadamente no estado. No mês, houve recuos apenas na fabricação de outros produtos químicos (-11,9%) e na fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (-6,4%).

Os maiores avanços, em magnitude da taxa, ocorreram na fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (125,1%), na metalurgia (75,5%) e na fabricação de bebidas (60,1%).

Entretanto, em razão do seu peso na estrutura industrial da Bahia, a fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (48,9%) teve a principal contribuição para o crescimento da produção como um todo no estado, seguida pela metalurgia. Ambos os segmentos tiveram altas na fabricação de todo os produtos investigados.

A fabricação de veículos vinha de dois fortes recuos consecutivos, mas a metalurgia apresentou o quarto crescimento seguido na produção e tem o melhor desempenho no ano de 2019, com uma alta acumulada de 34,0% de janeiro a maio.

Com uma produção que mais que dobrou frente a maio de 2018 (125,1%), o segmento de informática e eletrônicos apresentou o segundo crescimento consecutivo, após ter registrado quedas seguidas entre outubro de 2018 e março de 2019. Os destaques foram as altas na fabricação de computadores de mesa e de peças e acessórios para máquinas de processamento de dados e suas unidades periféricas.

Dentre as atividades em queda, a fabricação de outros produtos químicos (-11,9%) apresentou o sétimo recuo consecutivo (cai desde novembro de 2018) e tem o pior desempenho neste ano de 2019, com uma retração acumulada de 12,2% de janeiro a maio.

Já a fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis voltou a cair, depois de ter crescido 4,2% em abril, sob influência, sobretudo, da menor produção de óleo diesel, gasolina e querosene para aviação.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]