APUR emite manifesto cobrando do Governo Bolsonaro imediata nomeação do reitor e do vice-reitor da UFRB

Vista da sede da Reitoria da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, em Cruz das Almas.
Vista da sede da Reitoria da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, em Cruz das Almas.
Vista da sede da Reitoria da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, em Cruz das Almas.
Vista da sede da Reitoria da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, em Cruz das Almas.

A Associação de Professores Universitário do Recôncavo da Bahia (APUR) emitiu nesta quarta-feira (31/07/2019) manifesto em que registra o primeiro dia na história da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) em que a instituição ficou sem reitor, em decorrência da falta de nomeação pelo Governo Bolsonaro.

A entidade destaca a falha do governo em não designar o corpo diretivo. A APUR reafirma que a escolha dos representantes da UFRB ocorreu através de processo democrático.

“A ausência de um representante máximo, interrompeu, no dia de hoje, tanto as funções administrativas quanto políticas de gestão, o que, certamente, acarreta prejuízos para a universidade, os quais ainda não conseguimos mensurar”, declarou a APUR.

Um dia sem reitor(a) na UFRB, nomeação já!

Nesses 14 anos de existência da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) muitas batalhas foram travadas, mas nem o ânimo mais pessimista poderia prever que a universidade, em algum momento, ficaria sem seu dirigente máximo. De uma forma que jamais desejaríamos, o dia 31 de julho de 2019 entrou para a história como o primeiro dia que a UFRB ficou sem reitor.

Oficialmente, o mandato da professora Georgina Gonçalves terminou ontem (30), ainda assim, no Diário Oficial do dia de hoje (31/07/2019) não saiu nenhuma publicação nomeando o novo reitor, sendo que o processo final da sucessão da reitoria foi enviado ao Ministério da Educação (MEC) ainda no mês de março.

Toda essa falta de responsabilidade por parte do governo e de setores da comunidade que não aceitaram o resultado da consulta para a escolha do reitor coloca a administração da UFRB numa situação de confusão. A ausência de um representante máximo, interrompeu, no dia de hoje, tanto as funções administrativas quanto políticas de gestão, o que, certamente, acarreta prejuízos para a universidade, os quais ainda não conseguimos mensurar.

Enquanto isso, diante do protelamento da nomeação da reitora eleita, a comunidade fica aflita. Da parte diretoria da APUR, fica a preocupação com o prejuízo desse atraso, considerando o funcionamento regular da universidade, como, por exemplo, o fechamento da folha de pagamento. A direção da APUR está em contato com a assessoria jurídica para acompanhar a situação, caso tenha algum prejuízo para os professores diante desse fato absurdo.

A diretoria da associação ainda destaca que é preciso aproveitar esse momento para repensar o cuidado com a instituição, e a responsabilidade da Presidência da República com esse tipo de atitude. Exigimos a nomeação imediata da reitora eleita!

Sobre Carlos Augusto 9512 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).