Pedido de liberdade do Lula deve ser julgado em 25 de junho de 2019 pelo STF; Ex-presidente é vítima de conluio entre membros do Poder Judiciário e da força-tarefa do Caso Lava Jato

Pedido de liberdade do ex-presidente Lula deve ser julgado em 25 de junho de 2019 pelo STF; O ex-presidente foi preso em abril de 2019 e cumpre pena na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, em decorrência de condenação proferida por Sérgio Moro, ex-juiz acusado de conluio com procuradores da República que atuam na força-tarefa do Caso Lava Jato.
Pedido de liberdade do ex-presidente Lula deve ser julgado em 25 de junho de 2019 pelo STF; O ex-presidente foi preso em abril de 2019 e cumpre pena na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, em decorrência de condenação proferida por Sérgio Moro, ex-juiz acusado de conluio com procuradores da República que atuam na força-tarefa do Caso Lava Jato.
Pedido de liberdade do ex-presidente Lula deve ser julgado em 25 de junho de 2019 pelo STF; O ex-presidente foi preso em abril de 2019 e cumpre pena na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, em decorrência de condenação proferida por Sérgio Moro, ex-juiz acusado de conluio com procuradores da República que atuam na força-tarefa do Caso Lava Jato.
Pedido de liberdade do ex-presidente Lula deve ser julgado em 25 de junho de 2019 pelo STF; O ex-presidente foi preso em abril de 2019 e cumpre pena na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, em decorrência de condenação proferida por Sérgio Moro, ex-juiz acusado de conluio com procuradores da República que atuam na força-tarefa do Caso Lava Jato.

Um pedido de liberdade feito pela defesa do ex-presidente Lula, que aponta a suspeição do ex-juiz e atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, deve ser julgado pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 25 de junho de 2019.

No início da sessão desta terça-feira (11), o ministro Gilmar Mendes pediu a inclusão do habeas corpus na pauta do dia 25 deste mês, o que foi acolhido pelo presidente da Segunda Turma, Ricardo Lewandowski.

No pedido apresentado, a defesa do petista questiona a atuação de Moro, até então juiz federal, no processo que deu origem à condenação de Lula, no caso do tríplex do Guarujá – SP.

O habeas corpus foi apresentado pelos advogados quando Moro aceitou o convite do presidente Jair Bolsonaro para comandar o Ministério da Justiça e Segurança Pública. Sérgio Moro atuava na 13ª Vara Federal de Curitiba (PR).

Como teve a condenação confirmada em segunda instância, Lula foi preso em abril do ano passado e levado para a Superintendência da Polícia Federal, na capital paranaense. Em abril deste ano, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) analisou o caso e também manteve a condenação.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108946 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]