Governo Bolsonaro obriga diplomatas a frisar que gênero é só o sexo biológico; Perseguição a minorias é marca da extrema-direita despótica e autocrática

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores do Governo Bolsonaro. Ideologia de extrema-direita impulsiona atos persecutórios contra minorias.
Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores do Governo Bolsonaro. Ideologia de extrema-direita impulsiona atos persecutórios contra minorias.
Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores do Governo Bolsonaro. Ideologia de extrema-direita impulsiona atos persecutórios contra minorias.
Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores do Governo Bolsonaro. Ideologia de extrema-direita impulsiona atos persecutórios contra minorias.

O governo de Jair Bolsonaro (PSL) ordenou aos diplomatas brasileiros, que em reuniões internacionais, declarem “o entendimento do governo brasileiro de que a palavra gênero significa o sexo biológico: feminino ou masculino”. As instruções oficiais vieram do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, conhecido como Itamaraty, chefiado pelo ministro Ernesto Araújo.

Em uma reunião na ONU e outra na Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, os diplomatas brasileiros receberam instrução de destacar para diplomatas de outros países a visão do governo do Brasil sobre gênero, segundo noticiou a Folha de S. Paulo.

Fontes do Itamaraty informaram à Folha que a instrução trata-se da retomada da definição tradicional de gênero. A coordenadora da Conectas Direitos Humanos, Camila Asano, criticou a medida e disse que a instrução pode “comprometer a credibilidade internacional do país”.

“Se tal ordem não for imediatamente revertida, o Brasil se unirá a diplomacias que propagam posições retrógradas em espaços internacionais, ignorando avanços nacionais e globais na luta contra desigualdades e preconceitos”, afirmou em entrevista à Folha.

A instrução vinda do Itamaraty se equipara a declarações feitas pelo atual Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do próprio Jair Bolsonaro.

Araújo já chegou a criticar o globalismo durante um discurso, e afirmou que este conceito promove ideias como a “ideologia de gênero”, e também do “racialismo”, que para ele é a concepção da sociedade dividida em raças, além do ecologismo, definido pelo ministro como a ecologia transformada em ideologia.

Ernesto afirmou que o globalismo é ruim porque ele cria um mundo onde “você não tem mais nação, onde você não tem mais família, onde você não tem mais homem e mulher”.

Bolsonaro também ataca frequentemente o termo “ideologia de gênero”, ele chegou a afirmar durante sua visita a Washington, nos Estados Unidos, que “EUA e Brasil são irmanados na fé em Deus, no combate à ‘ideologia de gênero’, ao politicamente correto e às fake news”.

Camila Asano explicou que a instrução do Itamaraty pode causar impacto na concessão de refúgios pelo Brasil.

“Uma das razões para conceder refúgio é a perseguição, incluindo por questões de orientação sexual e identidade de gênero. Se o Itamaraty orienta seus diplomatas dessa forma, o Brasil pode se distanciar de países que acolhem refugiados perseguidos justamente por essas razões. Isso mancha a reputação do país como referência na agenda de proteção a refugiados”, finalizou.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113537 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]